Whatsapp

(11) 9 9739-5404

Ligue para nós

(11) 2822-9612

Ligue para nós

(11) 2836-6065

Whatsapp

(11) 9 9739-5404

Ligue para nós

(11) 2822-9612

Desentupidora em Higienópolis

Desentupidora em Higienópolis

Desentupidora OMAR, atende em Higienópolis 24 horas. Oferece serviços de desentupimento, limpeza de fossa e hidrojateamento. Mais de 30 Anos de Experiência.
Higienópolis é um bairro nobre localizado na região central da cidade brasileira de São Paulo. Está situado em uma das regiões mais altas da cidade, chamada de Espigão da Paulista.
Apresenta perfil residencial, caracterizado por uma população de rendas média-alta e alta, sendo também conhecido pela presença de relevantes instituições culturais.
SOLICITE UM ORÇAMENTO GRÁTIS PARCELAMOS NO CARTÃO
Visita técnica para proposta orçamentária 24 horas por dia, de domingo a domingo, sem compromisso em toda Grande São Paulo.

Ligue para nós: (11) 2836-6065 | (11) 9 9739-5404 | (11) 2822-9612

Solucionamos na hora se o orçamento for aprovado, caso contrário, não cobramos nenhuma taxa de visita. Acompanhe nosso canal no YouTube Como calcular o preço de um desentupimento? DESENTUPIDORA COM PREÇO JUSTO Não chame outra desentupidora antes de consultar os nossos preços.
 

Eliminamos o mau cheiro de esgoto. Desentupidora Que Faz Vídeo Inspeção Video Inspeção Louveira Moderno equipamento de vídeo inspeção Aluguel de Caminhão Limpa Fossa Desentupidora em Louveira Caminhão Esgotamento e Hidro Jato Esgotamento em Alagamento Lavadora de Alta Pressão em Louveira Lavadora de Alta Pressão Limpeza de Alagamentos e Canos Aluguel de Banheiro Químico Aluguel de Banheiro Químico Louveira Consulte modelos e condições Tire aqui todas as suas dúvidas Converse com os nossos técnicos Desentupidora WhatsApp Louveira Agende pelo WhatsApp Fale diretamente com quem Entende do assunto Economize seu dinheiro Desentupidora Serviços Hidráulicos Desentupidora Perto de Mim Desentupidora em Louveira Mapa LOUVEIRA – São Paulo
jundiai-desentupidora-telefone

Nossa equipe técnica de Louveira também atende as seguintes cidades:

Desentupidora Alphaville Desentupidora Barueri Desentupidora Bragança Paulista Desentupidora Cabreúva Desentupidora Cajamar Desentupidora Campinas Desentupidora Cotia Desentupidora Guarulhos Desentupidora Ibiúna Desentupidora Indaiatuba Desentupidora Itatiba Desentupidora Itú Desentupidora Itupeva Desentupidora Jandira Desentupidora Jarinu Desentupidora Jundiaí Desentupidora Nazaré Paulista Desentupidora Osasco Desentupidora Salto Desentupidora Santana do Parnaíba Desentupidora São Roque Desentupidora Valinhos Desentupidora Vargem Grande Paulista Desentupidora Várzea Paulista Desentupidora Vinhedo Atendimento expresso para desentupimento doméstico da rede sanitária. Plantão 24 horas e atendimento Imediato. Se preferir agende uma visita. Frota própria com rastreamento e encanadores especialistas em desentupimentos, limpezas e caça vazamentos. Visita e orçamento totalmente sem compromisso. Experimente. PRONTO ATENDIMENTO 24 x 7 365 DIAS DO ANO Desentupidoras 24 Horas Louveira Parcerias para atendimento 24 horas Dicas Para Evitar Entupimento
1. Pia de cozinha Utilize “ralinho japonês” no ralo da pia de cozinha para evitar que entre na rede de esgoto materiais que deveriam ir para o lixo como restos de comida, pedaços de plásticos de etiquetas, guardanapos, palitos e caroços de frutas.
2. Tanque de lavar roupa Utilize sempre o tampão do ralo do tanque para não deixar que pequenas peças de roupas entrem no cano de esgoto. Muita gente também limpa a caixa de areia de gatos e cachorros no tanque o que faz com que restos de areia vão para o esgoto.
3. Vaso sanitário Lugar de lixo é no lixo. Não jogue papel higiênico, absorvente, preservativo e restos de medicamento pelo vaso sanitário pois isso não dissolve na água e causa entupimentos frequentemente.
4. Ralo de banheiro Limpe regularmente o ralo do banheiro para evitar que o acúmulo de fios de cabelo cause um entupimento com o tempo. O aparecimento das famosas moscas de ralo é um importante indicador que o ralo do banheiro deve ser limpo com mais frequência.
5. Caixa de gordura Se a sua cozinha já tem uma caixa de gordura instalada lembre-se que esse sistema deve ser limpo regularmente.
Em uma cozinha de restaurante por exemplo é recomendado que a limpeza se faça semanalmente.
6. Óleo, tinta, derivados de petróleo etc.. Nunca jogue na rede de esgoto restos de óleo, tintas, combustíveis, solventes ou outros produtos parecidos, o descarte desse tipo de material deve ser feita de forma apropriada, procure na internet na sua região onde esses produtos devem ser descartados. Na dúvida consulte a Sabesp ou Cetesb.
7. Ramal de Água Pluvial Em época de chuva é que aparecem os problemas de entupimento de rede de água pluvial de condomínios e residências. Folhas, fuligens, resto de construção e fezes de animais além de brinquedos e terra são os principais causadores de obstruções nessas tubulações.
Principalmente nos condomínios a manutenção preventiva da rede de água pluvial deve ser feita regularmente, para evitar alagamentos de garagens e subsolo. Síndicos, zeladores e equipe de manutenção devem estar atento a isso, se não estão alerte isso na próxima reunião de condôminos. Na dúvida sobre as normas e leis da cidade de Louveira acesse os sites da Prefeitura de Louveira, Camara Municipal de Louveira, DAE Jundiaí, Cetesb ou Sabesp.
 

SERVIÇOS COM GARANTIA de Desentupidora em HIGIENOPOLIS

A região na qual se constitui é ocupada desde o século XVI, tendo seu desenvolvimento se dado paralelamente àquele da própria cidade.
O bairro se destaca pela presença de grande quantidade de exemplares da arquitetura de tendências diversas. Sempre foi endereço de expressivas famílias tradicionais da aristocracia paulista, de maioria de origem portuguesa no início e depois de norte americanos e outras nacionalidades, passando a abrigar, nos dias de hoje, habitantes de variadas origens, migrantes e imigrantes, inclusive judeus de diversas nacionalidades provindos em sua maioria da Europa Central.
Tendo ainda se tornado um dos bairros preferidos por artistas em geral, sendo palco de grandes atividades na semana de arte moderna. Limita-se com os bairros de: Cerqueira César, Pacaembu, Santa Cecília e Vila Buarque. Índice 1 História 1.1 Crises e verticalização 2 Características 2.1 Qualidade de vida 2.2 Transporte 3 Acontecimentos 4 Ver também 5 Notas e referências 6 Bibliografia 7 Ligações externas História A região onde se situam os atuais bairros de Higienópolis, Pacaembu e Perdizes compreendia a “Sesmaria do Pacaembu”, que era dividida em Pacaembu de Cima, do Meio e de Baixo.[1] O bairro de Higienópolis está localizado em parte do que era conhecida como “de Cima”.

Problemas com Entupimento em Higienópolis ? Emergência, Ligue grátis Click na imagem e ligue!

Desentupidora Orçamento via Whatsapp
A extensa propriedade rural pertencia à Companhia de Jesus. Seus membros, os jesuítas, receberam-na no século XVI como resultado de uma doação feita pelo donatário Martim Afonso de Sousa. Esses religiosos foram violentamente expulsos do Reino de Portugal e de suas colônias em 1760, através da determinação de Marquês de Pombal e seus bens foram confiscados e vendidos, dentre eles a sesmaria. [2] E ali, com o passar dos anos, integrantes da aristocracia paulistana construíam suas chácaras, propriedades urbano-rurais e autossuficientes em água e subsistência.
[2] Já existia na região do Bairro da Vila Buarque a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, inaugurada em 1884, bem como, inaugurou-se em 1892 o viaduto do Chá que trouxeram ao lugar, desenvolvimento e fluxo respectivamente àquele local que era considerado inóspito. Devido ao crescimento da cidade, causado pelo êxodo rural e o Ciclo do café, essas terras foram loteadas. [2] As antigas terras do Barão de Ramalho e do legado do espólio do padre pernambucano Wanderley, que juntas apresentavam 847.473 m², foram compradas em 1893 por Martinho Buchard e Victor Nothmann, capitalistas alemães.
Os dois empreendedores trouxeram da França o projeto e os materiais para a construção do segundo loteamento planejado e de alto-padrão da cidade, destinado especificamente para a elite paulistana. Chamado primeiramente de “Boulevard Bouchard”, o loteamento fora lançado em 1895.
Com os acréscimos posteriormente dos já existentes sítios de Dona Veridiana que mandou construir em 1884 uma “Villa” denominada Maria que ladeava a hoje Avenida Higienópolis até ao que hoje é a Avenida Angélica e Dona Angélica que possuía também um sítio; que se juntaram todas essas terras formando o que hoje é o bairro de Higienópolis (cidade ou lugar de higiene), nome atribuído por conta de um hotel indicado por suas condições de limpeza e climáticas que era administrado pela Cia Higienópolis, acrescente-se a isso que ressaltadas pela altitude do bairro, que impedia o acúmulo de grandes enchentes, que poderia resultar em áreas de fácil contaminação da Malária, Febre Amarela e Tifo e pela publicidade do empreendimento, tais como o fornecimento de água e esgoto que vieram logo depois, que na época eram proporcionados em poucos locais da cidade.
Além disso possuiria também iluminação à gás, arborização e seria atendido por linhas de bondes,[2] sendo considerado como o maior loteamento em extensão territorial e em importância social e econômica.[4] Visão da Universidade Presbiteriana Mackenzie, tem suas origens no Mackenzie College, construído em 1874 Na época no bairro de Vila Buarque a região já contava com o Colégio Mackenzie – Gymnasio Americano, que gerou o atual campus paulistano da Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Construído em 1874 no terreno de parte da antiga chácara de Dona Maria Antônia da Silva Ramos, e que foi um empreendimento idealizado pelo Reverendo Chamberlain. [5] Além do Hospital Samaritano de São Paulo, edificado em 1892 pela firma Krugg & Filho, através de doações diversas: de José Pereira Achao (por testamento), Victor Nothmann e Burchard, dos presbiterianos do Instituto Mackenzie, família Lee e Dona Maria Paes de Barros. O loteamento foi dividido em duas fases: Higienópolis 1 e Higienópolis 2, possuindo lotes de 700m² a 1000 m² juntamente com os sítios de Dona Veridiana e Dona Angélica. Na primeira etapa, a dos altos de Santa Cecília, vias foram criadas e receberam os nomes de 3 senhoras integrantes da aristocracia local, proprietárias de extensa áreas na região, todas filhas de abastados barões: Maria Angélica de Sousa Queirós, filha do barão de Sousa Queirós (Avenida Angélica), Maria Antônia da Silva Ramos, filha do barão de Antonina (Rua Maria Antônia) e Veridiana da Silva Prado, filha do barão de Iguape (Rua Dona Veridiana). “A Avenida Higienópolis, com alguns palacetes belíssimos e muitas casas bonitas, ricos jardins e arranjos de terreno que eliminam toda a monotonia da cidade, pode competir vitoriosamente com as mais belas ruas modernas das cidades europeias, com a vantagem que, nos jardins, há uma flora quase tropical, a alegria das corolas multicolores, plantas de folhagens régias e variedade de vivos vegetais de toda espécie.
Outras novas e amplas ruas se entrelaçam contornadas sempre de casinhas de um a dois andares, edificações ocultas entre os ramos e as flores, alegres habitações de luzes e de cores que irradiam uma aura de doçura e de simplicidade”. Ernesto Bertarelli, artista italiano e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo, [6] em 1913. [7] E logo a área foi ocupada pela aristocracia do café, fazendeiros, empresários, comerciantes, anglo-saxões e profissionais liberais; que erguiam seus palacetes, os mais elegantes da cidade.[7] Muitos deles anteriormente moravam nos Campos Elísios, primeiro bairro nobre paulistano.[8][9] Dentre os membros da elite destacam-se:as famílias Sousa Queirós, Prado, Alves Lima, Silva Telles, Toledo Piza, Pacheco e Silva, Paes de Barros, Barros Brotero, Amaral Souza, Lucas Garcia Borges, o conde Antônio Álvares Leite Penteado, o cafeicultor Carlos Leôncio de Magalhães, a família do presidente Rodrigues Alves, o presidente Fernando Henrique Cardoso, o empresário e comendador Franz Müller, o delegado Arthur Rudge da Silva Ramos, o jurista e político Jorge Americano, os ex-prefeitos da cidade: o urbanista e engenheiro Francisco Prestes Maia e o empresário, banqueiro e engenheiro Olavo Egydio Setúbal, o aristocrata e cafeicultor José de Queirós Aranha, a pintora modernista Tarsila do Amaral, a pianista Guiomar Novais, o jornalista Júlio Mesquita, o médico e ex-governador do estado Ademar de Barros, o médico Geraldo Vicente de Azevedo, e, dentre outros, Dom Luís Gastão de Orléans e Bragança, príncipe imperial do Brasil.
Antiga residência de Francisco Camargo Lima, a partir de 1949; do médico Rubens de Brito, posteriormente transformada em agência bancária. As mansões do bairro reproduziam os modelos franceses, [7] procurava-se recriar o modo de vida das metrópoles europeias mais importantes do século XIX, tanto que a manutenção de um palacete exigia no mínimo de 10 a 15 criados. [7] Os móveis, o material de construção e até a planta das casas eram trazidas da Europa.
Possuíam pomares e jardins, algumas delas seriam tombadas pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico Cultural e Ambiental de São Paulo e, instituições educacionais e consulados se estabeleceriam nas tradicionais moradias.
Uma das mais conhecidas da época chamava-se Vila Penteado. Construída em 1902 no estilo art. nouveau, era pertencente ao conde Antônio Álvares Leite Penteado, fazendeiro de café e industrial paulista, detentor de grande riqueza. Projetada pelo engenheiro sueco Carlos Ekman [12] foi à lançadora desse estilo na cidade. Decorada com estátuas, mobiliário, vitrais e mármores europeus. Ocupava toda a quadra entre a Avenida Higienópolis, ruas Sabará, Maranhão e Itambé, com grande área verde. [13][14] Outro bom exemplo é a já citada “Villa Maria” de Veridiana da Silva Prado, que recebeu reis e princesas e depois serviu de residência para a própria Dona Veridiana que havia se separado do esposo causando grande comentário à época, imóvel hoje preservado e pertencente ao Iate Clube de Santos, que passou a ocupar o espaço a partir de 2008 É usado ou locado para alguns eventos, tais como, leilões, vernissages, festas de casamento, entre outros, era filha de Antônio da Silva Prado, barão de Iguape. No ano de 1900, deu-se a inauguração da linha de bondes elétricos da Vila Buarque, fato que causou o desenvolvimento do bairro iniciado na região da Rua Maranhão. O “bonde 25”, como era chamado, que passava por essa rua, atraía visitantes devido à arquitetura e ao luxo da área.
Em 1928 foi inaugurada a Paróquia de Santa Teresinha do Menino Jesus, projetada pelo engenheiro italiano Antonio Vincenti, sendo executada a obra pelo arquiteto Fiorello Panelli, com seu interior inacabado. A imagem de Santa Teresinha, trazida da cidade francesa de Lisieux, sendo doação de dona Sofia Neves Torres e o sino, presente do empresário ítalo-brasileiro Conde Matarazzo.
Crises e verticalização A epidemia de febre amarela, que invadiu a cidade de Campinas (a porta da cafeicultura do planalto), tendo Adolfo Lutz, calculado em três quartos a população que deixou Campinas em direção a outras cidades, fugindo da epidemia, com os fazendeiros transferindo suas residências para a capital, embora a grande maioria conservando suas fazendas e lavouras no interior.[18] A Grande Depressão (a Crise de 1929) e a Revolução de 1930 trouxeram mudanças a muitas famílias, além da perda dos investimentos de diversos cafeicultores.
Então inicia-se o processo de verticalização do bairro, sendo um dos primeiros após o Centro Histórico da cidade. Seu primeiro edifício foi o Condomínio Edifício Alagoas (1933), para Abel Drummond, pela construtora Barreto Xandi & Cia, o primeiro da capital do Estado a ter um apartamento por andar, e que causou críticas por ser construído em um bairro apenas de casas e onde residiu o escritor e jornalista católico Plínio Corrêa de Oliveira.
O segundo edifício (1935), seguido de outras construções importantes e de luxo, o Edifício Santo André, obra de Francisco Matarazzo e do arquiteto francês Jacques Pilon, na Rua Piauí esquina com Avenida Angélica, foi onde residiu a artista Tarsila do Amaral, com vista para o Parque Buenos Aires, com painel no hall de entrada, em alto relevo, do artista John Graz, e foi considerado o edifício elegante da ocasião. O Santo André foi ainda o primeiro edifício a usar estacas tipo Franki em sua fundação. [20] O terceiro foi o Edifício Augusto Barreto, em estilo art déco, pegado, no lado da Avenida Angélica. E foi construído o D.Pedro II, o primeiro da Avenida Higienópolis (1938) com somente 2 andares. E o Edifício Santa Amália (1943), na Rua Piauí, pegado ao Edifício Santo André, obra de Francisco Matarazzo Netto, e o Edifício Higienópolis (1943), no terreno da outrora residência da família Alves Lima.
Edifício Louveira. Os anos de 1940 surgiram com edificação de novos prédios a preços módicos, como o Edifício Rubayat e o Edifício Teresópolis. Aconteceu o êxodo da elite deixando seus palacetes para locais mais aprazíveis, dando lugar aos edifícios para a classe média. Em 1946 o Edifício Louveira, edifício residencial localizado na praça Vilaboim, foi projetado pelos arquitetos João Batista Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi, sendo considerado importante representante da arquitetura moderna, tendo sido tombado pelo Condephaat.).
O Edifício Prudência (1944), foi um projeto de Rino Levi, com jardins de Burle Marx. E surgiram prédios como o D.João V, construção de Adolpho Lindenberg (engenheiro),[22] Brasil Colonia, Brasil Império, Brasil República, Lindenberg e aqueles denominados de mansão:Mansão Orlandina Rudge Ramos, Mansão Michelangelo, Mansão Verlaine. E, os edifícios Barão de Antonina, Barão de Jundiaí, Marquês de Três Rios, Solar do Conde, Príncipe de Galles, Professor Vilaboim, Louveira (1946), Paulistania, São Clemente, Lafayette e tantos outros. Edifício Bretagne.
O Edifício Bretagne (1959), construção projetada por João Artacho Jurado, na Avenida Higienópolis, tendo ao lado o palacete de Antonieta Cintra Gordinho e o da Cúria Metropolitana de São Paulo, e do mesmo, o Edifício Parque das Hortênsias (1957), o Edifício Piauí (1949) e o Edifício Cinderela (1956).[23] de construção de Adolpho Lindenberg (engenheiro), na mesma confluência com a Rua Sabará, onde já havia o Domus de 1956, feito na obra de Ermanno Siffredi e Maria Bardelli.
E os Edifícios Santa Francisca e Santa Cândida (1963) projetado por Salvador Candia, nas esquinas da Rua Marques de Itú com Rua Aureliano Coutinho, feitos embasados na obra de Ludwig Mies van der Rohe, todos de vidro e lajes nervuradas que dispensam colunas no interior do imóvel, são um ícone da arquitetura moderna da cidade. Aconteceu aquela que seria considerada uma revolução na arquitetura residencial paulistana: o advento da arquitetura modernista em edifícios de apartamentos.
Toda a cidade de São Paulo até então se caracterizava pelos traços da arquitetura eclética, de perfil historicista e europeizante da elite local.
No entanto, a partir da década de 1950, o bairro começou a assumir o caráter pelo qual se tornou conhecido, recebendo grande quantidade de investimentos imobiliários incentivados pela baronesa do café e herdeira da sesmaria de São Antônio da Posse, Fernanda da Veiga de Mattos, que levaram à demolição de grande parte dos antigos casarões que o caracterizavam. Com tal fenômeno, o bairro tornou-se um ponto de destaque na cidade como um “mostruário” de exemplares diversos também de arquitetura, ocupado quase que predominantemente por edifícios de apartamentos de múltiplos andares, transformando-se na década de 1960 em uma “floresta de concreto armado”. Além de proprietária de grande parcela do que hoje é o bairro, adquiriu em seguida o que hoje é o bairro do Jardim Paulista e Cerqueira César (nome dado em homenagem ao primo que trouxe a tecnologia da escada Magirus e a técnica de produção da garrafa PET e também era conhecido pelo seu acrônimo, CêCê.
Há quem diga que a necessidade de aquisições compulsivas de lenços (lençomania), levaram à demolição de grande parte dos antigos casarões que o caracterizavam. Com tal fenômeno, o bairro tornou-se um ponto de destaque na cidade como um “mostruário” de exemplares diversos também de arquitetura, ocupado quase que predominantemente por edifícios de apartamentos de múltiplos andares, transformando-se na década de 1960 em uma “floresta de concreto armado”, entremeados, com lojas do artefatos objeto de sua fixação.
Houve um grande aumento na população, de onde surgiram outros perfis de moradores como: profissionais liberais, funcionários, estudantes, comerciantes, industriais e judeus vindos do bairro do Bom Retiro,[2] estes últimos trazendo colégios e sinagogas. O bairro abriga de 20-40% dos judeus paulistanos,[24] e segundo a Federação Israelita do Estado de São Paulo abriga 12 mil das 60 mil pessoas que formam a comunidade,[25] ocupando prédios especificamente projetados a eles, apresentando os chamados elevadores-shabat, programados para parar em todos os andares e ficarem abertos por alguns segundos para dar tempo de as pessoas entrarem e seguirem até o piso desejado.
Porém, na maioria dos prédios do bairro, as construções apresentam elevadores que operam da forma normal e tradicional do país. Vista aérea do bairro. Mesmo após a abertura de outros bairros de perfil elitizado, Higienópolis manteve-se como uma área de grande valor e conseguiu se adiantar na evolução urbanística paulistana. No período entre as décadas de 1970 a 1990, manteve-se exceção frente ao esvaziamento do centro de São Paulo pelas camadas de renda superiores, constituindo-se ainda em um espaço preservado, devido principalmente à sua arquitetura e pelas instituições culturais que abriga, em comparação ao bairro de Campos Elísios no distrito de Santa Cecília. Características Qualidade de vida Localizado na Consolação, distrito que possui o oitavo maior IDH da cidade, Higienópolis apresenta: praças, igrejas, universidades, colégios, consulados, embaixadas, hospitais, hotéis, museus, teatros, restaurantes e lojas.
Apresenta um dos metros quadrados mais caros da cidade,[26][27] sendo classificado pelo CRECI como “Zona de Valor A”, tal como outros bairros nobres da cidade.[28] Parque Buenos Aires Abriga diversas áreas verdes, como o Parque Buenos Aires, inaugurado em 1913, onde funciona a Escola Municipal de Educação Infantil Monteiro Lobato, e possui o parque dos cães, pensado especialmente para os cachorros, que conta com ampla área cercada onde eles podem correr livres e se socializarem;[29][30] a Praça Esther Mesquita com vista para o vale do Pacaembu, a Praça Vilaboim, inaugurada em 1877 possuidora de restaurantes, livraria, lojas de roupas e presentes e concorrida banca de jornais e revistas, bastante frequentada por estudantes, intelectuais e por idosos e babás com crianças; a Praça Humberto de Campos, na confluência da Rua Novo Horizonte com a Rua Bahia, famosa por sua escadaria a quem os moradores chamam de escadinha, nas proximidades da casa do jurista Luiz Aranha Júnior que traz na fachada o brasão de sua família. E ainda, a Praça Marechal Cordeiro de Farias, no final da Avenida Paulista e final da Avenida Angélica, e também da Rua Minas Gerais, e que já mudou de denominação algumas vezes, com relativa vegetação. Visão noturna do Shopping Pátio Higienópolis. Higienópolis, pela sua posição central na metrópole paulistana e pelo perfil histórico de sua população, apresentou a tendência de abrigar no próprio bairro e em seu entorno, instituições religiosas e culturais diversas, como: Curia Metropolitana da Arquidiocese de São Paulo,
Casa Pia São Vicente de Paulo,[32] Paróquia de Santa Teresinha do Menino Jesus,[33] Igreja do Imaculado Coração de Maria,[34] Faculdade e Colégio Claretiano,[35] Colégio Sion, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Instituto Moreira Salles, Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Escola de Sociologia e Política de São Paulo, Colégio Rio Branco, Escola Carlitos, Colégio Ofélia Fonseca,[36][37] Colégio Higienópolis, Istituto Europeo di Design, Escola Panamericana de Arte,[38] Escola Christine Yufon de etiqueta, Aliança Francesa, Sociedade de Cultura Inglesa,[39] Colégio Oswaldo Cruz,[40] Colégio Nuno de Andrade,[41] Sociedade Tradição Família e Propriedade (TFP), Centro Universitário Maria Antônia, Iate Clube de Santos e Clube Piratininga.[42] Colégio Nossa Senhora de Sion. Colégio Rio Branco no Edifíco Rotary. Além do Hospital Samaritano, na Rua Conselheiro Brotero, conta com o Hospital Santa Isabel, na Rua Dona Veridiana, e o Hospital Infantil Sabará, na Avenida Angélica.
Conta com a farmácia Drogamérica, do farmacêutico Paulo Queiroz Marques, o mais antigo da cidade, e que conserva decoração e mobília, que lhe dão um ar retrô, contando com acervo dedicado a peças de época, e que fez doação de parte ao Museu da Santa Casa de Misericórdia.[44] Ao final de 1999 foi inaugurado no bairro o Shopping Pátio Higienópolis, empreendimento polêmico que foi muito criticado e sofreu resistências por parte de grupos preocupados com a preservação da qualidade urbanística do bairro, o que acabou gerando modificações do projeto. Apesar da polêmica, o shopping foi ampliado em 2010, com inauguração de nova ala, sofrendo processo por funcionamento irregular.[45] [46] Avenida Angélica na altura da Escola Panamericana de Arte com Rua Pará. O bairro conta com restaurantes das mais variadas especialidades, localizados nas ruas: Pará, Mato Grosso, Itacolomi, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Maranhão, Dona Veridiana, Marques de Itú, Martinico Prado, Barão de Tatuí e na Praça Vilaboim. Possui vários supermercados e, todas as sextas-feiras ocorre na Rua Mato Grosso, atrás do Cemitério da Consolação, a tradicional feira de produtos alimentícios e artigos de uso doméstico. Oferece acomodações nos hotéis: “Transamerica Flat Higienópolis”, “Hotel Tryp Higienópolis”, “The Park Hall Residence Service” e “Hotel Lev Residencial”. A sede do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, provisória, esteve localizada na Avenida Angélica nº 1696, na esquina com a Rua Sergipe, em antiga residência, onde mais tarde, em nova construção, veio a se estabelecer um supermercado.[47] Abriga sede do 7º Batalhão da Polícia Militar Metropolitano – 7º BPM/M, na Avenida Angélica nº 1647, estabelecida em antigo palacete em estilo eclético, com nítida influência do chalé,[48] entre as ruas Alagoas e Sergipe, tendo ao lado o Edifício São Clemente, seguido do Edifício Oswaldo Aranha e do Edifício São José erguido onde ficava a residência do casal Antonieta e engenheiro Felix Dabus e posteriormente da família Cayres. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (8º Distrito do IPHAN), ocupa, na Avenida Angélica nº 626, na Santa Cecília. O palacete que pertenceu a Dona Sebastiana de Souza Queiroz, de 1910, projeto do arquiteto Ramos de Azevedo, no antigo pomar da residência de Dona Angélica de Barros e que ainda conserva os portões originais para passagem dos veículos a tração animal.[49] E, em outubro de 2013, moradores de Higienópolis começaram a testar ‘botão de pânico’, como prevenção de assaltos e outras ocorrências [50] Transporte No bairro circulam inúmeras linhas de ônibus, inclusive de ônibus elétrico (a linha 408A/10 Machado de Assis/Cardoso de Almeida), havendo quatro estações de metrô próximas ao bairro, sendo: Marechal Deodoro, República, Santa Cecília, além da Estação Paulista nos altos da [[Rua da Consolação encontra-se a Estação Higienópolis-Mackenzie, Linha 4-Amarela, anexa à Universidade Mackenzie e ao cruzamento da Rua da Consolação com a Rua Piauí. Terá integração para a também futura Linha 6-Laranja, que está sendo chamada de “Linha das Universidades”, por ligar PUC, FAAP, Mackenzie, interligada à Estação São Joaquim da Linha 1-Azul, servindo a FMU. A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) definiu o local exato onde pretende construir a polêmica estação da Linha 6-Laranja, em Higienópolis. A parada foi batizada de ‘Angélica-Pacaembu’ e ficará na Rua Sergipe, entre a Rua Ceará e a Rua Bahia. Haverá ainda outras duas saídas: uma na Rua Bahia, para o Pacaembu, e outra para a Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). Em maio, o Metrô anunciou a mudança e foi criada uma polêmica, pois se levantou a hipótese de que a alteração seria para agradar os moradores. A companhia diz que a decisão foi técnica.[51] Estação Angélica: Metrô opta por acessos discretos, sendo que a nova estação deverá receber 29.090 passageiros por dia, um aumento de 32% na demanda em comparação com a antiga planejada. Além do custo das obras, estações maiores também sairiam mais caras por causa da necessidade de desapropriações em bairros nobres como Higienópolis e Pacaembu. A estimativa é que poucos imóveis precisem ser declarados de utilidade pública para ceder espaço à estação. Na região da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), apenas um estacionamento deverá ser desapropriado. Por outro lado, usuários da futura estação devem encontrar atrações dentro das estações.
A Avenida Angélica tem horário de estacionamento reduzido a partir de agosto de 2011, além de restrição de conversão à esquerda em determinados dias e horários.
Acontecimentos Além dos dias de carnaval, o corso em São Paulo era uma prática comum nos domingos e dias festivos. Acontecia inicialmente na Avenida Higienópolis, tendo passado depois para a Avenida Paulista, que precisava ser irrigada, pois só foi asfaltada no início de 1915 (O Pirralho, 6 jan. 912, p. 16; 6 fev. 1915, p. 7).[55] Semana de Arte Moderna de 1922. O fazendeiro de café e mecenas Paulo Prado e a esposa Marinette Prado, em sua casa da Avenida Higienópolis, constituíram, por muito tempo, importante ponto de encontro de intelectuais e artistas. [56] [57] No ano de 1924 ocorreu levante contra o presidente Artur Bernardes que terminou em conflito entre as tropas rebeldes e as do governo federal nas ruas da capital de São Paulo. A área do centro da cidade, como bairros, dentre eles Higienópolis, foram alvo de tiroteios, balas de canhão e ataques aéreos.[58] Em 1926, a cidade de São Paulo é invadida por uma onda de assaltos. O ladrão escolhe sempre as luxuosas mansões das avenidas Brigadeiro Luiz Antônio, Angélica e Paulista. A polícia se movimenta, mas não consegue nenhuma pista. Certa tarde, no entanto, após denúncias, investigadores vão até a residência do misterioso Senhor Gino, e este, ao perceber a presença dos policiais, corre para os fundos da casa, e como um felino, galga o muro de três metros e desaparece nos telhados. Está descoberto o autor dos assaltos, seu nome é o famoso assaltante Gino Meneghetti, italiano de Pisa. [59] Vindos da Estrada da Boiada (a posterior Avenida Diógenes Ribeiro de Lima)…houve um estouro da boiada e os magotes de bois passaram pela Rua Bahia frente à casa da família Pereira de Queiroz, pela paralela Avenida Angélica e, chegaram na Praça da Sé…o que foi uma grande farra, correr dos bois em plena cidade, nos anos de 1930. [60] 9 de julho de 1932. Na Rua Sergipe, número 37, bairro de Higienópolis, ficava a casa em que os conspiradores montaram seu quartel-general, naquele nervoso sábado, dia 9 de julho de 1932. O endereço, o Q.G. do general Euclides Figueiredo, foi transformado em senha e contrassenha para as comunicações entre eles. Um dizia: “Sergipe”; o outro respondia: “37”. São Paulo, por suas principais lideranças políticas, aliadas a militares dissidentes, declarava-se em insurreição armada contra o regime de Getúlio Vargas, instalado um ano e nove meses antes. Tinha início o episódio conhecido como “Revolução Constitucionalista”.[61][62] Em 1933, a pintora modernista Anita Malfatti, muda-se para a Rua Ceará, onde instala seu ateliê e dá aulas, inclusive para Oswald de Andrade Filho, onde permanece até 1952, com a venda da casa. [63] O “Bandido da Luz Vermelha”, João Acácio Pereira da Costa, numa noite, entrou em uma casa em Higienópolis (na Rua Bahia, esquina com a Rua Pará), onde a dona, senhora da sociedade paulista e a empregada dormiam. Acácio acordou-as e pediu que abrissem o cofre. Até então, assaltava sem interromper o sono das vítimas. Pegou dinheiro, joias e, na saída, beijou a mão das mulheres. Em 1967 foi preso, sendo que, sempre mascarado e usando uma lanterna vermelha, costumava assaltar mansões em São Paulo depois de desligar as luzes. Foram seis anos de caça ao bandido, acusado de roubar 300 casas e de matar quatro pessoas.[64] Dois sequestros de grande repercussão ocorreram no bairro. No dia 11 de março do ano de 1970, o do cônsul-geral do Japão, Nobuo Okushi, ocorrido no final da tarde, quando, após terminar o trabalho no Consulado e dirigir-se a sua casa, na Rua Piauí (antiga residência de Gustavo Stahl), seu carro foi interceptado na altura da Rua Bahia e teve que parar bruscamente para que não batesse em um carro que se interpôs à frente. Nobuo Okushi foi posto no banco traseiro desse carro e levado para a Avenida Ceci, no bairro de Indianópolis.[65] Em 2001, o publicitário Washington Olivetto foi sequestrado em 11 de dezembro, minutos após deixar a sua agência de publicidade, W/Brasil, na Rua Minas Gerais.[66] Ano de 1980. No Colégio Sion, aconteceu a Fundação do Partido dos Trabalhadores, com a presença de políticos e intelectuais. [1] Em 5 de abril de 1983, por volta das 13:30hs, a guarnição do PTM composta pelo Tenente Roberto Calegari de Lima, pelos Soldados Gerson Leme, Edson Ricardo Lima e Reginaldo Bueno de Andrade e pelo Tenente PM José Marcelino Teodoro Neto, atenderam ocorrência de assalto, na Avenida Angélica n.º 2318, tendo sido recebidos a tiros, resultando na morte do Tenente Calegari (18.2.1961 – 29.1.1979) e na morte do marginal Wagner Roberto da Silva.[67] Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus. Crime passional abalou a sociedade paulista, ocorrido quando Moacir de Toledo Piza (1891-1923), advogado da turma de 1915 da Faculdade de Direito, matou-se, com um tiro, numa noite, dentro de um táxi, após matar Nenê Romano (Lina Machiaverni), na esquina da Avenida Angélica com a Rua Sergipe, na noite de 25 de outubro de 1923, sendo sepultado no Cemitério da Consolação.[68][69] Outro crime famoso aconteceu no interior da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, na Rua Maranhão, no dia 8 de janeiro de 1959, no casamento do empresário Sílvio Marchioni com a professora Sílvia Sampaio, quando o noivo foi assassinado pelo médico Abelardo Paiva, morador da Avenida Angélica.[70] Com a crise econômica de 1929, aconteceu em São Paulo a tragédia do palacete da Rua Piauí no bairro de Higienópolis onde o empresário Abelardo Laudel de Moura de 28 anos, afogado em dívidas, se armou e tentou matar a mulher, Maria Benedita, que conseguiu escapar, mas ele matou o filho de 2 anos e a filha e, em seguida, se suicidou.
Na tarde de 5 de outubro de 1995, por ocasião do sepultamento do Professor Plinio Corrêa de Oliveira, um cortejo numeroso saiu a pé, da sede do Conselho Nacional da TFP na Rua Itacolomi esquina com Rua Maranhão, em direção ao Cemitério da Consolação, na Rua da Consolação, distante cerca de um quilômetro. O longo séquito foi aberto por centenas de jovens cooperadores da TFP com a fanfarra da entidade executando marchas fúnebres e hinos religiosos, sendo o esquife levado aos ombros por seus membros. E no ano de 2001, resignado, o juiz Nicolau dos Santos Neto esteve detido num dos prédios da Polícia Federal em São Paulo, um casarão na Rua Piauí, esquina com a Rua Itacolomi, no bairro de Higienópolis, onde ficava a carceragem, no antigo casarão da família do ex-presidente Rodrigues Alves (1848-1919), quando a propriedade foi parte da Polícia Federal, de 1990 a 2003. Na mesma época também esteve detido no local o senador Luiz Estevão.[74][75] A atriz Ariclê Perez, viúva do diretor teatral Flávio Rangel, no dia 26 de março de 2006, logo após o fim da minissérie JK, onde viveu a mãe de Juscelino (que terminou dia 24 de março de 2006), suicidou-se, pulando da janela de seu apartamento, na Rua Itacolomi, esquina com Rua Maranhão, onde vivia. E, a estilista Clô Orozco, de 60 anos, foi encontrada morta, no dia 28 de março de 2013, após queda do 5º andar de prédio na Rua Rio de Janeiro, onde morava.[76] O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Higienópolis (bairro de São Paulo) Ver também Arquitetura do bairro de Higienópolis (São Paulo) Consolação (distrito de São Paulo) Centro de São Paulo Subprefeitura da Sé História da cidade de São Paulo Linha 4 do Metrô de São Paulo Linha 6 do Metrô de São Paulo Linha 1 do Metrô de São Paulo Notas e referências «Passeio arquitetônico» Maria Margarida Carvalho De Silveira. «Desvendando o bairro de Higienópolis». Cidade do Conhecimento. Consultado em 14 de novembro de 2010. Arquivado do original em 22 de agosto de 2009 «Mudança de nome» «Bairros paulistanos de A a Z Por Levino Ponciano» «Cronologia da Escola Americana – Mackenzie College». Consultado em 15 de novembro de 2010.

Conte com uma Desentupidora em HIGIENOPOLIS

Arquivado do original em 28 de dezembro de 2011 «Modernismo no Brasil» «BAIRROS NOBRES». Consultado em 15 de novembro de 2010. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2009 «Bairros de imigrantes» «Estadão.com.br – O luxo da São Paulo Antiga – evolução da moradia da elite cafeeira» Príncipe Imperial do Brasil vive em Higienópolis «Bairro Higienópolis» «USP_Carlos Ekman» (PDF) «Vila Penteado, São Paulo» Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material «Contraste» «Paróquia de Santa Teresinha do Menino Jesus» «Santa Teresinha Audi Coelum» «Campinas – Febre Amarela» «CAFÉ: CRISE DE 1929 e a REVOLUÇÃO DE 1930» Edifício Santo André-Higienópolis «Edifícios Antigos e seus Construtores» «Adolpho Linbenberg» Artacho Jurado «HISTÓRIA DOS BAIRROS PAULISTANOS» «Comunidade judaica sente-se em casa no Samaritano» «Os endereços de ouro». Consultado em 15 de novembro de 2010. Arquivado do original em 15 de junho de 2011 «Veja quanto custa o metro quadrado na cidade» «Pesquisa CRECI» (PDF). 11 de julho de 2009. Consultado em 2 de agosto de 2009. Arquivado do original (PDF) em 6 de julho de 2011 «Parque dos cães». Consultado em 19 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 16 de novembro de 2012 Prefeitura de São Paulo:Parque Buenos Aires Cúria Metropolitana de São Paulo Casa Pia São Vicente de Paulo «Paroquia Santa Teresinha» «Igreja Imaculado Coração de Maria» «Faculdade e Colégio Claretiano» «Colégio Ofélia Fonseca – Estadao.com.br]]» Ofélia Fonseca-Estadao.com.br «Escola Panamericana de Arte» Sociedade de Cultura Inglesa
http://www.culturainglesasp.com.br/wps/portal/Internet/unidades/higienopolis?gclid=CND2h56fj6oCFYoP2godQFUCyw Sociedade de Cultura Inglesa Verifique valor |url= (ajuda) Em falta ou vazio |título= (ajuda) «Colégio e Escola Técnica Oswaldo Cruz» «Externato Nuno de Andrade» «Clube Piratininga» «Hospital Infantil Sabará» O farmacêutico mais antigo de São Paulo Folha de S.Paulo, Shopping Pátio Higienópolis, 28 de dezembro de 2010 http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2812201010.htm Em falta ou vazio |título= (ajuda) «Shopping Pátio Higienópolis». Folha de S.Paulo. 28 de dezembro de 2010 Tribunal de Justiça Militar:história 7º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano IPHAN Folha de S.Paulo: Higienópolis e segurança «Estadao.com» estacao-angelica-apos-polemica-metro-opta-por-acessos-discretos,733390,0.htm http://www.estadao.com.br/noticias/cidades, estacao-angelica-apos-polemica-metro-opta-por-acessos-discretos,733390,0.htm Verifique valor |url= (ajuda) Em falta ou vazio |título= (ajuda) «Estação Angélica do Metrô: 2 saídas no Pacaembu e uma em Higienópolis» «Estadão.com.br-Restrição quanto a estacionamento na Avenida Angélica» Itaú Cultural – Corso em São Paulo Academia de Letras: Paulo Prado e Semana de 22 Artelogie: Paulo Prado, tradição e modernismo História Viva: Revolução de 24 Gino Meneguetti Professor José Pereira de Queiroz Neto_entrevista Vejasp. Revolução de 32 Novo Milênio: Revolução de 32 B.Brasil: Anita Malfatti «João Acácio Pereira da Costa» «Revista Época_sequestro Cônsul do Japão». Consultado em 6 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 16 de novembro de 2012 «Promotor alertou sobre risco de sequestrador fugir» Polícia Militar de São Paulo «Uma trágica história de amor que comoveu a cidade» «Angélica, esquina Sergipe- Estadao.com.br» «Assassinato na Igreja Santa Teresinha» «Crise do café_Abelardo Laudel de Moura» «SESCSP_derrocada do Café» «Revista CaféCultura_tragédias» Revista Época Folha Globo.com:Clô Orozco Bibliografia HOMEM, Maria Cecília Naclério: Higienópolis, grandeza e decadência de um bairro paulistano – Prefeitura do Município de São Paulo – Secretaria Municipal de Cultura – Departamento do Patrimônio Histórico, 1980 HOMEM, Maria Cecília Naclério: O Palacete Paulistano, Editora Martins Fontes, 1966 HOMEM, Maria Cecília Naclério: Higienópolis_Grandeza de um bairro Paulistano, Editora da Universidade de São Paulo, 2011 BARROS, Maria Paes de: No tempo de dantes, Editora Brasiliense, 1946 INSTITUTO CULTURAL ITAÚ – Cadernos Cidade de São Paulo, bairro de Higienópolis – São Paulo:ICI, 1996 ANABUKI, Maria Manuel de Castro Mendes Leal: Um Bairro Chamado Higienópolis, São Paulo, 2001 GERODETTI, João Emílio e CORNEJO, Carlos: Lembranças de São Paulo, SOLARIS Edições Culturais, 2002 PIRES, Mario Jorge: Sobrados e Barões da Velha São Paulo, Editora Manole, 2006 AMERICANO, Jorge: São Paulo Naquele Tempo (1895 – 1915). Carrenho Editorial/Narrativa Um/Carbono 14, 2004. PACHECO e SILVA, Domício: O último cafezal – São Paulo, Editora TERCEIRO NOME, 2010 FISHER, Sylvia – Os arquitetos da Poli: ensino e profissão em São Paulo,Edição ilustrada – Editora EdUSP, 2005 – ISBN 8531408733, 9788531408733 Vitruvius-Jacques Pilon Ligações externas Compass rose pale-50×50.png Santa Cecília vde Compass rose pale-50×50.png Pacaembu North Vila Buarque West Higienópolis East South Cerqueira César [Expandir]vde SP – São Paulo – Centro – Subprefeitura da Sé [Expandir]vde Brasão da cidade de São Paulo.svg Cidade de São Paulo São Paulo City flag.svg Categorias: Consolação (distrito de São Paulo)Bairros da ConsolaçãoGeografia da cidade de São Paulo Esta página foi editada pela última vez às 11h28min de 22 de dezembro de 2020. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de utilização. A história do tradicional bairro de Higienópolis começou oficialmente no final do século 19, com os empresários alemães Martinho Bouchard e Victor Nothmann, que lançaram um loteamento de alto padrão para a nova elite paulistana. No entanto, a região já tinha atenção desde o século 16, quando foram doadas terras aos jesuítas. No século 18, eles foram expulsos do local, seus bens foram confiscados e vendidos e, então, a aristocracia começou a construir suas chácaras. No final do século 19, algumas obras já integravam a região de Higienópolis antes mesmo do bairro existir. Em 1892, por exemplo, foi inaugurado o Viaduto do Chá. Na mesma época, o êxodo rural e o Ciclo do Café ajudaram no crescimento da cidade e foi quando os empresários alemães decidiram comprar uma das chácaras e criar, em 1893, o Boulevard Bouchard, que foi o primeiro nome do bairro. O loteamento foi dividido em duas fases, Higienópolis 1 e Higienópolis 2, e possuía lotes de 700 m² a 1.000 m². Na etapa dos altos de Santa Cecília, a primeira delas, as vias receberam os nomes de três integrantes da aristocracia local. Sendo todas filhas de ricos barões: Maria Angélica de Sousa, filha do barão de Sousa Queirós, Maria Antônia da Silva Ramos, filha do barão de Antonina, e Veridiana da Silva Prado, filha do barão de Iguape. As vias são, respectivamente, a Avenida Angélica, Rua Maria Antônia e Rua Dona Veridiana. [corretores] Índice de conteúdo Bairro foi o primeiro com infraestrutura Febre amarela e crise ajudaram na verticalização de Higienópolis Bairro foi o primeiro com infraestrutura O Boulevard foi lançado em 1895 e se destacou por ser o primeiro bairro a levar saneamento e a higiene doméstica às casas. Assim ele contava com encanamento de esgoto e fornecimento de água. Foi daí veio o nome: Higienópolis. Como os lotes estavam em uma parte alta de São Paulo e longe dos córregos e rios, afastava o risco de alagamentos e surtos de malária e tifo, por exemplo. Outra das preocupações foi facilitar o fluxo do bairro e, por isso, foi traçada a Avenida Angélica, que até hoje é sua via principal. Febre amarela e crise ajudaram na verticalização de Higienópolis Logo que foi lançada, a área foi ocupada pela aristocracia do café, fazendeiros, empresários, comerciantes e profissionais liberais que começaram a erguer seus palacetes – alguns ainda seguem preservados. No início do século 20, a epidemia de febre amarela assolou a cidade de Campinas, importante palco dos barões de café. Dessa forma pelo menos 75% da população deixou a cidade para fugir da doença e muitos foram a São Paulo para viver. Importantes empresários escolheram Higienópolis como lar.
A crise de 1929 e a Revolução de 1932 mudaram o estilo de vida de alguns desses aristocratas e foi quando começou o processo de verticalização do bairro. O primeiro edifício foi o Condomínio Edifício Alagoas, em 1933, e o segundo foi o Edifício Santo André, uma obra de Francisco Matarazzo e do arquiteto francês Jacques Pilon, em 1935. Até hoje o bairro se destaca por sua arquitetura. Você pode encontrar seu novo lar aqui na Kasacor Imóveis. Artigos relacionados Ver mais artigos História de Higienópolis Higienópolis Conheça a história do conceituado bairro de Higienópolis Conheça a história do bairro Higienópolis, que começou no final do século 19, quando uma dupla de empresários alemães começou a fazer o loteamento de […] Higienópolis O seu lar pode ser um apartamento em São Paulo Conheça alguns bons motivos para morar em um apartamento A cidade de São Paulo é conhecida por possuir prédios dos mais variados tipos, tamanhos e […] (11) ,Higienópolis, bairro nascido no final do século passado acompanhando a expansão urbana da cidade, localizado na região central de São Paulo, o que permite fácil acesso a diversas regiões da cidade. Conhecido por ser um bairro tradicional, apresenta perfil residencial, sendo também reconhecido pela presença de relevantes instituições culturais e educacionais, como a Universidade Mackenzie e Fundação Armando Álvares Penteado. imóveis Higienopolis Habitado por famílias tradicionais, passou a abrigar habitantes de variadas origens, migrantes e imigrantes, inclusive por muitos judeus. Residente no bairro há quatro anos, considero um local tranqüilo e familiar, o qual nos sentimos aconchegados. Pelas ruas podemos encontrar famílias passeando com cães, crianças, idosos, estudantes e, além disso, boa gastronomia como, por exemplo, a tradicional padaria Benjamim Abraão. Há também igrejas, praças, feiras, hospitais, consulados, embaixadas, hotéis, museus e teatros. Outro lugar muito conhecido é o Shopping Pátio Higienópolis, local de ponto de encontro de amigos, grande variedade de lojas, restaurantes, cafés etc. imóveis Higienopolis Higienópolis, também valorizado por possuir muitas áreas verdes, como Parque Buenos Aires, Praça Vilaboim, além das ruas, na maioria delas, arborizadas. Encontrei em Higienópolis um bairro que me proporcionou várias amizades, lazer,e facilidade. Higienópolis, o bairro nobre do centro paulista Higienópolis é uma ótima opção para aqueles que desejam se mudar para um local confortável e seguro! O bairro de alto padrão do centro de São Paulo foi um dos primeiros a ser construído de forma planejada e, até hoje, se mantém impecável quando o assunto é infraestrutura. Seu nome remete justamente a isso.
Confira abaixo um pouco mais sobre essa região tão desejada! História Sua história começa quando os empresários alemães Martinho Bouchard e Victor Nothmann lotearam o bairro e a compra foi feita com a intenção de atrair a nova elite paulistana a partir de um planejamento de alto padrão. No entanto, a região já era bem vista desde o século 16, quando foi doada aos jesuítas, porém, no século 18, eles foram expulsos e tiveram seus bens confiscados e vendidos, para que assim a burguesia pudesse construir suas chácaras. Na mesma época, o êxodo rural se intensificou e muitas famílias se mudaram para a região do antigo Boulevard Bouchard, que é o primeiro nome do bairro. O Boulevard foi inaugurado em 1895 e logo se destacou na região por ser o único que possuía sistema de saneamento e encanamento para esgoto e água. Por causa disso, recebeu o nome de Higienópolis. Desde o início, oferecer as melhores condições para os moradores do local sempre foi uma preocupação. Seus lotes ficavam longe dos rios e córregos, o que diminuía os riscos de alagamento e, para facilitar o fluxo, foi traçada a Avenida Angélica, que recebeu esse nome em homenagem a filha do rico barão de Sousa Queirós, Maria Angélica de Sousa. Mobilidade Higienópolis conta com uma ótima estrutura para locomoção, tanto para aqueles que usam transporte público quanto para os que não abrem mão do carro! O bairro conta com diversas linhas de ônibus e 4 estações de metrô que podem te levar para diferentes partes da cidade. Além disso, possui ruas e avenidas que dão acesso à outras regiões da capital, sendo uma delas a Rua Minas Gerais que leva direto à Av. Paulista, perto do MASP e Méqui 1000. Outras vias importantes são a Rua Itatiara, que dá acesso à Av. Pacaembu, e a Rua Sergipe, que dá entrada à Rua da Consolação.
Lazer Paris 6 Com uma de suas unidades localizadas na Praça Vilaboim, o restaurante Paris 6 é muito conhecido por ser frequentado por influencers e famosos, além de ter pratos com os nomes dos mesmos. Seu cardápio possui variados tipos de refeições doces e salgadas, agradando a todos os paladares! Teatro Folha Localizado dentro do Shopping Higienópolis, o Teatro Folha é um dos teatros mais conhecidos da cidade e recebe peças com vários artistas brasileiros famosos. Seus palcos tiveram que ser fechados por causa da COVID-19, mas possui reabertura prevista para janeiro de 2021 com atrações como O Pequeno Príncipe e o show de humor do comediante Bruno Motta! Parque Buenos Aires O Parque Buenos Aires é uma ótima opção para passeios com a família, cachorro ou até mesmo sozinho! O local conta com quadras de ginástica e esportes, espaços para piqueniques, playgrounds e ruas asfaltadas e arborizadas, ótimas para caminhada. Museu de Arte Brasileira da FAAP O MAB é conhecido pelos seus grandes vitrais e por ser palco para exposição de vários artistas brasileiros. O museu já foi reaberto e possui horários para que as visitas sejam reservadas.
Mantendo sua programação, mas sem que haja aglomeração de visitantes. Rua da Consolação Por mais que não fique diretamente em Higienópolis, o bairro tem acesso fácil à Rua da Consolação através da Rua Sergipe. A mesma é conhecida pelos seus diversos bares, cafés, restaurantes e cinema! Mercado imobiliário Higienópolis conta com espaços como praças, igrejas, universidades, colégios, consulados, museus, teatros, restaurantes e lojas, além de um grande shopping e 3 hospitais por perto. Tudo isso influencia no valor dos imóveis, pois, quando falamos de propriedade, o local em que ela se encontra conta muito. Os preços por metro quadrado podem ir de R$ 8.000,00 até R$ 13.000,00.
O preço é alto, mas a qualidade de vida oferecida pela região é maior ainda! venida Higienópolis: um retrato da burguesia londrinense nas décadas de 30, 40, 50 e 601 Sara Hermógenes Silva2 Paulo César Boni3 Resumo: Este trabalho tem como objeto de estudo a Avenida Higienópolis, uma das mais antigas, extensas, importantes e glamourosas de Londrina, no norte do Paraná. A Higienópolis foi um projeto de colonizadores paulistas, inspirados na Avenida Paulista. Como a sua fonte de inspiração, ela foi criada para ser estritamente residencial, mas foi perdendo essa característica com o passar dos anos. Contudo, entre as décadas de 30 a 60, reuniu mansões e palacetes da burguesia londrinense e tornou-se uma espécie de ponto turístico para visitantes de outras localidades.
Para a realização deste trabalho, ainda em andamento, foram adotadas as seguintes metodologias: pesquisa bibliográfica, história oral e pesquisa documental, calcada na coleta de documentos – especialmente fotografias – e textos de jornais e revistas de época. Como referenciais teóricos foram adotadas obras sobre a história de Londrina, como Planejar é preciso, do arquiteto João Baptista Bortolotti, e de experiências semelhantes, como Avenida Paulista: um século de história, de A. Marx e O álbum da Avenida Central, de Marc Ferrez. A pesquisa pretende resgatar e organizar a história da Avenida Higienópolis e torná-la conhecida e acessível, com a publicação de artigos em periódicos e livro, amplamente ilustrados. Palavras-chave: História de Londrina (PR); Avenida Higienópolis; Documentação iconográfica; burguesia londrinense. 1 Trabalho apresentado no GT – História da Mídia Audiovisual do VII Encontro Nacional de História da Mídia, realizado em Fortaleza (CE), de 19 a 21 de agosto de 2009. 2 Estudante de graduação do curso de Comunicação Social – Habilitação Jornalismo da Universidade Estadual de Londrina. Pesquisadora de Iniciação Científica. Bolsista do CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. E-mail: pessara@hotmail.com 3 Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (ECA/USP). Coordenador do Mestrado em Comunicação da Universidade Estadual de Londrina. E-mail: pcboni@sercomtel.com.br Introdução Londrina se emancipou politicamente em 10 de dezembro de 1934, menos de uma década depois da chegada de seus desbravadores e dos primeiros pioneiros. Colonizada pelos ingleses da Companhia de Terras Norte do Paraná (CTNP), a cidade viveu rápido crescimento e enriquecimento, impulsionado principalmente pelo café, que era chamado de “ouro verde”.
Na década de 60, tornou-se informalmente a “Capital Mundial do Café”. A concepção da Avenida Higienópolis Neste contexto de crescimento e expansão, a cidade foi sendo planejada e construída para atender aos anseios do grupo dominante: os burgueses. Dessa forma, nos anos 30, a Avenida Higienópolis era um projeto de transposição do estilo de vida de São Paulo para o hinterland do Paraná (Figura 1). Nos anos 40, mas, sobretudo, nas décadas de 50 e 60, ela espelhava o aburguesamento da vida citadina. “Um passeio atual pelas esquinas da Av. Higienópolis permite redescobrir remanescentes de palacetes “aristocráticos”, lembranças de uma Londrina idealizada”, afirma Yamaki (2006). As casas de muros baixos com jardins bem cuidados criavam um cenário em que as famílias ainda não se escondiam do mundo público. Contudo, era um território exclusivo de algumas famílias notáveis da cidade. Figura 1 – Início das construções na Avenida Higienópolis, que não constava do projeto inicial da cidade e só recebeu asfalto na década de 60 Fotografia: Oswaldo Leite Fonte: Acervo do Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss Seu traçado original foi concebido por Mr. Arthur Thomas – diretor presidente da CTNP – inspirado no bairro aristocrático (Higienópolis) de São Paulo.
Mr. Thomas cedeu às insistências do russo Eugênio Victor Larionoff, também diretor da CTNP e seu secretário particular (cuja família residia no bairro paulista), e de George Craig Smith, que reivindicavam sua abertura. Como Londrina, na época, só possuía avenidas estreitas, a ideia foi projetar uma avenida larga, com alamedas e jardins. O local escolhido não foi por acaso: era o ponto mais alto da cidade, o mais arejado, livre das epidemias que ocorriam no centro do núcleo urbano, portanto o local mais “higiênico”. A primeira construção de alvenaria puramente residencial data de 1936, de propriedade de Larionoff, o maior incentivador da avenida. A construção era uma imitação dos modelos existentes no bairro paulista. Em seu plano original (Figura 2), a Higienópolis selecionava o setor centro-sul como área nobre, cujo valor decrescia em relação ao afastamento tanto no sentido sul como no sentido norte da via. Nela, não era permitido construir edificações de madeira (Figuras 3 e 4), uma vez que era “reservada” à elite, embora, nesse momento, tanto o Paço Municipal quanto as igrejas da cidade ainda fossem de madeira. Eugênio Larionoff deixou Londrina em 1947, mas permaneceu trabalhando na CTNP, em São Paulo, até falecer. Figura 2 – Avenida Higienópolis em seu início, na década de 30: o trecho inicial compreendia o espaço entre as ruas Sergipe e Alagoas Fotografia: Oswaldo Leite Fonte: Acervo do Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss Figura 3 – Primeira casa de alvenaria da Avenida Higienópolis, no cruzamento com a rua Sergipe.
Fotografia: José Juliani Fonte: Acervo do Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss Gilberto Santos, primeiro vice-prefeito de Londrina, lembra de alguns ilustres moradores da Higienópolis na época de sua criação. Em uma crônica de 1996, para o jornal Folha de Londrina, ele descreve uma família de ciganos que residia na avenida: Os homens usavam grossas correntes de ouro no pescoço e pulseiras de alto valor. As mulheres usavam vistosas e compridas saias coloridas. Na cabeça, o característico lenço zíngaro. Era uma família comandada pelo Lazinho, conhecido comerciante cigano e chefe de todos os outros da região norte. O comportamento dessa família sempre foi exemplar e respeitoso. (SANTOS, 1996). Santos lembra também alguns moradores que possuíam casas logo após o cruzamento da Sergipe (Figura 5): o médico Newton Câmara, que empresta o nome ao edifício que foi erguido onde antes se localizava sua residência; Celso Garcia Cid, fundador de uma das maiores empresas de transporte rodoviários do país, a Viação Garcia; Nelson Rosário, que foi chefe do posto de saúde, deputado federal e secretário de estado; Vivi Xavier, vereador e prefeito interino, que empresta seu nome para um dos maiores conjuntos habitacionais do município; Fioravante Bordin e Atílio Bizato, empresários do grande conglomerado comercial de Londrina, a Casas Fuganti S.A.
Figura 4 – “Na foto do Álbum de Londrina – 1941, a ‘Vista da Av. Higienópolis’ é a de uma avenida de terra com largo canteiro central”, descreve Yamaki Fotografia: Oswaldo Leite Fonte: Acervo do Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss Figura 5 – Vista aérea da Avenida Higienópolis em 1950 Fotografia: Oswaldo Leite Fonte: Acervo do Museu Histórico de Londrina Padre Carlos Weiss As transformações da avenida A transformação da Higienópolis iniciou-se na década de 60, quando o então prefeito Milton Menezes determinou que os proprietários de terrenos e imóveis na doassem uma parte do terreno para as obras de ampliação (aumentar a largura) da avenida. Seria uma espécie de “desapropriação amigável”, pois o prefeito se recusava a pagar indenizações por achar a medida justa. Alguns moradores não aceitaram e exigiram pagamento na Justiça, como a família Agari e o morador Domingos Lourenço, conhecido como “Bodero”, por criar caprinos, em especial bodes, em grande quantidade. Mas a maioria dos proprietários compreendeu a magnitude da obra e doou parte de seus terrenos sem reclamar, como foi o caso da família de Margarida Marx, que havia se mudado para Londrina em 1935. Fugindo da perseguição semita de Hitler, por ser descendente de judeus, o pai de Margarida, Sr. Jacob Marx, comprou uma chácara no terreno onde hoje é o cruzamento da Higienópolis com a avenida Juscelino Kubitschek.
Dos 24.200m² de sua propriedade, cerca de 6.000m2 foram doados à prefeitura, para o alargamento da avenida. A maior mudança, no entanto, teve início na década de 70: a avenida, que até então era estritamente residencial, passou a dar lugar ao comércio. A tendência foi registrada pelo periódico londrinense Panorama. O jornal assim registra: O tradicionalismo da avenida é o argumento mais utilizado pelos que defendem a permanência das suas características.
O médico radiologista Guilherme Rizzi, morador há 15 anos da avenida, organizador que reuniu mais de 300 assinaturas contra a construção de edifícios na redondeza, é um deles: Esta aqui é a avenida mais bonita da cidade, como ficará virando um centro comercial? Não quero e falo mesmo contra o meu interesse, pois meu terreno valorizará muito com esta mudança. Eu pergunto: como ficará o estacionamento para os carros? Como as crianças vão para a escola com o aumento de movimento por aqui? Acho que só é a favor de uma coisa dessas quem tem interesse na valorização de seus terrenos. (PANORAMA, 1975). Apesar da entrada de salões de beleza, consultórios, lojas de roupas, calçados e sorveterias, o perfil social da avenida não foi totalmente modificado. Todos os estabelecimentos comerciais que nela se instalavam tinham como público-alvo a classe alta de Londrina. A Higienópolis era procurada pelos empresários para associar seu glamour ao nome das lojas, entre outros fatores, tais como: o clima mais tranqüilo, ao contrário do ritmo frenético do centro, o maior número de vagas para estacionamento e o poder aquisitivo dos moradores. Hoje, as antigas residências já cederam seu lugar para edifícios residenciais de luxo, outras foram transformadas em centros de compras, bancos, agências de turismo, locadoras de vídeos, bares, restaurantes e docerias. O processo é percebido como inevitável por Edvir Alves dos Santos, morador da avenida há 47 anos e dono de uma confeitaria no local desde 1970: “Quando chegamos aqui era tudo mato. Só passava cavalo, carroça, boiada. O Lago Igapó não tinha ponte, só uma passagenzinha para cavalos. Hoje, fica difícil morar por causa do barulho dos carros, tem muito movimento.
Realmente a tendência é ficar só o comércio.” Danilo Calegari, dono de uma floricultura na avenida há 26 anos, considera as mudanças positivas e relata: Se você subir ou descer totalmente a avenida, você encontrará poucas residências. É importante isso porque quando você tem muito comércio, a tendência dos compradores, dos consumidores, é buscar uma avenida onde ele possa encontrar tudo. Num lugar só ele encontra floricultura, gastronomia, compras em geral de roupas, tecidos, calçados. A Higienópolis pode ser comparada a um shopping. Os dois proprietários – Edvir dos Santos e Danilo Calegari – têm uma reclamação em comum: os menores infratores que atuam na região, conhecidos popularmente como “trombadinhas”.
A confeitaria de Edvir foi assaltada oito vezes nos últimos anos. De acordo com Danilo, o problema dos menores surgiu em 2003 e até hoje não foi resolvido. Ele também afirma que o horário mais crítico é o da noite, “quando as pessoas buscam a gastronomia, e nós estamos perto dos principais restaurantes. Os meninos que vivem na rua se aproximam dessas pessoas para pedir e também para traficar; eles são usados como ‘mulas’ por serem menores de idade”. O empresário relata que várias reuniões já foram feitas com a Polícia Militar e considera boa uma das medidas adotadas pela PM, a de manter uma viatura na esquina das avenidas Juscelino Kubitscheck e Higienópolis, todas as noites, até 1 hora da manhã. Recentemente, vários estabelecimentos dispensaram a boa localização da avenida e o bom poder aquisitivo da população em seu entorno e migraram da avenida glamourosa para ruas próximas e menos movimentadas. É o caso, por exemplo, da loja especializada em vinhos, a Vinhos e Cia.
Ela estava instalada na Higienópolis havia 12 anos, quando seu proprietário decidiu se mudar para a rua Goiás (que é perpendicular à Higienópolis) em 2002.
O gerente Paulo César Rocha Fuzinato explica que o local que a loja ocupava na Higienópolis era muito apertado e o estacionamento destinado aos clientes muitas vezes era ocupado por motoristas alheios ao seu negócio. O público da loja também mudou, como relata: Como na Higienópolis tem muito trânsito de pessoas, várias entravam apenas para conhecer ou dar uma olhadinha. Acabavam saindo sem levar nada ou aproveitavam para comprar frios, como presunto e mussarela. Aqui na Goiás, por ser um local menos movimentado, as pessoas já vêm direcionadas, ou seja, já entram sabendo o que querem. A maioria vem atrás de vinho. Outro ponto positivo para o estabelecimento foi o maior espaço, que proporcionou a criação de um pequeno restaurante. “Agora as pessoas podem degustar seu vinho aqui mesmo, ficarem um pouco para conversar…”, afirma Paulo Fuzinato.
Considerações preliminares Assim como é possível perceber as diferentes maquilagens que a avenida recebeu ao longo de sua história, hoje é possível notar na passagem do dia para a noite, ou na passagem dos dias úteis para o fim de semana, as transformações da Avenida Higienópolis ao receber os seus frequentadores. Eles a procuram com diferentes finalidades: de dia, durante a semana, a avenida se comporta como um grande shopping em espaço aberto; à noite, nos dias úteis, suas atividades se restringem aos interiores dos restaurantes e bares. E nos finais de semana é procurada como cenário de múltiplas utilizações de lazer.
A Higienópolis passou a “exibir” cenários nos quais se abrem espaços para a criatividade, isto é, onde os diferentes grupos chegam, se apropriam dos vários territórios e estabelecem seus códigos específicos: da paquera, da amizade, dos encontros, das turmas de esquina, dos “desfiles” de motos e carros. Ao analisar as transformações sofridas pela Avenida Higienópolis ao longo do tempo, transformações que geralmente sempre expressaram – e expressam – diferentes fases do crescimento econômico e desenvolvimento social de Londrina, é possível inferir que, independente de seu glamour inicial, reduto da burguesia londrinense, e sua atividade comercial nos anos mais recentes, a Avenida Higienópolis sempre se caracterizou como um “cartão de visita”, uma referência iconográfica da cidade. Referências BRIGUET, Paulo. In: Folha de Londrina, 4/06/95, p.4. CASTELNOU, Antonio. Arquitetura londrinense: expressões de intenção pioneira. Londrina: Edição do autor, 2002. MAZZINI, Fernanda. In: Jornal de Londrina, 25/08/2002, p.8. MEMÓRIAS e cotidiano. Cenas do Norte do Paraná: escritos que se recompõem. Londrina: IPAC/UEL. SANTOS, Gilberto. In: Folha de Londrina, 19/08/96, p.2. SCHWARTZ, Widson. In: Jornal de Londrina, 9/04/2001, p.8. ______. In: Jornal de Londrina, 29/08/98, p.4. TRIGUEIROS, Marian. In: Folha de Londrina, 1/10/08, p.1. YAMAKI, Humberto. Labirinto da memória: paisagens de Londrina ,Desentupidora Higienópolis Buscando uma Desentupidora Higienópolis Ligue Agora faça Orçamento Via Telefone Gratuito, temos equipes de plantão para o atendimento a qualquer hora do dia ou da noite, contamos com um sistema exclusivo de atendimento no bairro do Higienópolis, não importa qual seja o entupimento, Aqui você encontra qualidade no atendimento possuímos os melhores equipamentos de desentupimento disponíveis no mercado, para a execução do serviço com menos transtorno possível para você cliente, conte com Desentupidora Higienópolis. desentupidora higienópolis Desentupidora Urgente Desentupidora Urgente Higienópolis é conosco, temos equipe parceiras especializados em Desentupimentos de urgência não importando a hora ou o dia que aconteça, nossa equipe esta pronta para resolver o seu entupimento no menor tempo possível, e com a melhor eficiência no ramos de desentupidora, exigimos treinamento constante para que nossas empresas parceiras possa atender você cliente com a maior qualidade possível dentro do menor tempo na desentupidora Higienópolis. Desentupidora 24 Horas Desentupidora 24 Horas Higienópolis, a desentupidora no bairro, esta 24 horas aberta para que você possa contar conosco, no momento que mais precisa, basta fazer um simples telefonema e informar o endereço e dentro de instantes encontraremos empresa mais próxima de sua residencia ou empresa para o menor tempo no atendimento, serviço de urgência e emergência conte com a Desentupidora Higienópolis.
Desentupidora Predial Buscando por uma desentupidora predial Higienópolis, contamos com serviços exclusivos para condomínios, aqui o sindico terá toda comodidade de contar com os nossos serviços, atendimento exclusivos com tempo reduzido para o atendimento e com descontos no plano condomínios. desentupimento pia Desentupimento Pia Para realizar o desentupimento de pia a nossa desentupidora Higienópolis inicia o serviço realizando a raspagem da mesma, a fim de remover qualquer tipo de resíduo ou sujeira. Depois que a higienização é realizada o encanamento é removido, a fim de normalizar de vez o fluxo de água da pia, seja ela da cozinha, do banheiro, lavanderia, do quintal ou de qualquer outro espaço da sua residência ou negócio. Para identificar um entupimento de pia é necessário ficar atento ao principal sintoma de que algo está errado com a mesma: a água descendo lentamente. Sendo assim, se na hora de lavar as mãos na pia do banheiro ou a louça na pia da cozinha você notar que a água está descendo em uma velocidade mais lenta do que o normal, esse pode ser o momento de contratar uma equipe da nossa desentupidora SP para investigação do problema. Confirmado o entupimento, a nossa equipe técnica é uma das mais bem-conceituadas e qualificadas para a realização do serviço de desentupimento de pias, aqui na desentupidora Higienópolis é garantindo que você se livre deste problema rapidamente, com eficácia, e é claro, sem qualquer tipo de estresse. Desentupimento Vaso Sanitario Desentupimento Vaso Sanitário O vaso sanitário é um item que pode acabar entupindo tanto em sua casa como também em seu negócio. E em ambos os casos, o desentupimento Vaso Sanitário Higienópolis deve ser realizado o quanto antes: dentro de casa, o cheiro é o que mais incomoda. Por outro lado, que credibilidade passa um restaurante ou uma loja com um vaso sanitário entupido, não é mesmo? O serviço de desentupimento de vaso sanitário da nossa Desentupidora Higienópolis é realizado por meio da desobstrução do mesmo com aparelhos extremamente modernos, capazes de remover a sujeira sem precisar quebrar os azulejos ou pisos do banheiro. Em casos mais extremos, onde há a necessidade de remover completamente o vaso sanitário, uma equipe bem qualificada e treinada estará a sua disposição para realizar o desentupimento do vaso sanitário com qualidade e é claro, eficácia. O serviço de desentupimento de vasos sanitários da Desentupidora SP é realizado em toda a extensão do mapa paulistano – desde as zonas norte e sul, leste e oeste. Desentupimento Esgoto Desentupimento de Esgoto Lidar com o Desentupimento de esgotos Higienópolis está longe de ser uma tarefa fácil. Mas, identificá-lo costuma ser simples – pelo próprio cheiro insuportável das tubulações. No caso do serviço de desentupimento de esgoto da nossa desentupidora SP, ele é realizado de modo a identificar exatamente onde está o entupimento, desobstruindo só as tubulações necessárias para tornar esse processo muito mais rápido e eficiente. Com toda a sujeira na rede já removida, o fluxo do esgoto voltará ao normal e você dificilmente precisará se preocupar novamente com um entupimento. Desentupimento Ralo Desentupimento de Ralo Se o ralo do seu banheiro começou a transbordar, esse é um grande sinal de que algo está errado. E o mesmo serve também no caso dos ralos dos quintais, por exemplo, que muitas vezes também podem entupir após uma forte chuva, por exemplo. Sendo assim, o desentupimento de ralo Higienópolis também é um serviço oferecido pela nossa desentupidora SP, que conta com equipamentos altamente eficientes para a realização do mesmo sem a necessidade de quebrar os azulejos ou pisos do seu quintal/banheiro. O serviço da nossa Desentupidora Higienópolis, neste caso, se inicia na detecção da origem do problema de entupimento no ralo, para posteriormente realizar a desobstrução correta e eficaz do encanamento. Deste modo, é possível remover os resíduos e demais sujeiras sem precisar quebrar os azulejos e pisos, o que além de sujar ainda mais, também acaba ficando caro. Desentupimento Cano Esgoto Desentupimento Cano Esgoto E se o problema for com o cano de esgoto da sua residência ou do seu negócio, cabe destacar que esse também faz parte dos serviços de desentupimento oferecidos pela nossa desentupidora SP. O Desentupimento de canos de esgoto Higienópolis é um dos que mais incomodam, afinal, assim que o fluxo de esgoto é ‘pausado’ o cheiro forte já começa a se instalar pelo ambiente em questão. E ao invés de apostar em técnicas e/ou produtos muitas vezes ineficazes e até mesmo perigosos para a sua saúde, de sua família e/ou de seus familiares, o mais indicado no caso de um entupimento de cano de esgoto é entrar em contato com a equipe da nossa desentupidora SP. Ela realizará o desentupimento com equipamentos modernos e especializados, desobstruindo o cano e finalizando o desentupimento com rapidez, eficácia, e é claro, mantendo a sua saúde em dia. desentupimento de Coluna Desentupimento de Coluna Desentupimento de coluna Higienópolis caso note que a água da coluna da sua residência ou estabelecimento está descendo de modo muito lento, esse pode ser o primeiro sinal de que o encanamento está entupido. Para investigar essa condição e eliminar qualquer tipo de entupimento, as equipes técnicas de nossas desentupidoras, está sempre a sua disposição, 24 horas por dia incluindo finais de semana e feriados. Para realizar o serviço de desentupimento de coluna a nossa equipe conta com equipamentos extremamente modernos, que realizam a raspagem e a remoção da sujeira da tubulação por meio de desobstrução do encanamento. Lembre-se que no caso deste tipo de desentupimento, quanto antes o serviço for solicitado, menores são os transtornos e esforços com o reparo. Limpeza fossa septica Limpeza de Fossa Séptica Para realizar o serviço de limpeza de fossa séptica Higienópolis a nossa empresa atua com equipamentos extremamente modernos e eficazes, sendo eles compostos por sistemas de auto vácuo capazes de transportar diferentes tipos de resíduos, sejam eles líquidos, granulados ou pastosos. Sendo assim, ao precisar da limpeza de fossa séptica, não hesite em contar com uma empresa que entende do assunto. A desentupidora SP, por sua vez, conta com uma equipe treinada e altamente especializada neste serviço, que ainda pode ser realizado em qualquer período do dia de domingo a domingo. Limpeza caixa de gordura Limpeza Caixa De Gordura Precisando de um limpeza caixa de gordura Higienópolis saiba que temos sempre a melhor solução para a execução deste tipo de serviço contamos com os mais qualificados profissionais e equipamentos de ultima geração para a execução de um serviço ecologicamente correto, evitando assim que os nossos clientes possam ter futuros problemas com a execução deste tipo de serviço. Limpeza caixa de agua Limpeza Caixa D’Água Você sabia que o serviço de limpeza de caixa d’água Higienópolis deve ser obrigatoriamente realizado (no caso de estabelecimentos comerciais, condomínios, fábricas, complexos industriais e outros) a cada seis meses? O motivo para a realização deste serviço é simples: a limpeza da caixa de água é o que garante que as suas reservas de água – seja para consumo próprio ou para fornecimento em seu negócio – estejam sempre limpas, ou seja, com a qualidade necessária para que possam ser utilizadas. No caso da nossa desentupidora SP o serviço de limpeza de caixa d’água é realizado por meio de uma equipe técnica altamente qualificada e bem-conceituada, que realiza o mesmo em todas as suas etapas – desde a desinfecção até a limpeza por completo. • Quais são as áreas de atuação da desentupidora sp? Atuamos em todos os quatro cantos do mapa paulistano. Sendo assim, todos os nossos serviços de desentupimento e limpeza são realizados 24 horas por dia e sem qualquer tipo de limite geográfico no estado de São Paulo. Desentupidora Grande São Paulo Desentupidora São Bernardo do Campo Desent
upidora São Caetano do Sul Desentupidora Suzano Desentupidora Alphaville Desentupidora Arujá Desentupidora Barueri Desentupidora em Diadema Desentupidora Ferraz de Vasconcelos Desentupidora Em Guarulhos Desentupidora Itaquaquecetuba Desentupidora Mauá Desentupidora Mogi das Cruzes Desentupidora Osasco Desentupidora Poa SP Desentupidora Santo André Desentupimento Higienópolis Alem do desentupimento Higienópolis também oferecemos Desentupimento Centro SP, as áreas abrangidas pela nossas empresas parceiras para serviços de limpeza e desentupimento são: 25 de Março Bom Retiro SP Consolação Pari Brás Liberdade Santa Cecília Avenida Paulista Cambuci Higienópolis Santa Efigênia Uma empresa parceira. Sabesp ,Desentupidora em Higienópolis | Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo Desentupidora em Higienópolis,Desentupidora em Higienópolis sp,Desentupidora em Higienópolis 24hs Quando o assunto é Desentupidora em Higienópolis, a Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo está sempre pronta, e preparada para lhe atender com toda segurança e satisfação. Uma empresa especializada em Desentupidora em Higienópolis, que vem inovando e conquistando novos clientes a cada dia. Para serviços de Desentupidora em Higienópolis, nós da Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo, utilizamos equipamentos de última geração, o que facilita a execução do serviço com eficiência e qualidade. Área de Atuação Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo # – Desentupidora. # – Dedetizadora. # – Desentupimento de Pias. # – Desentupimento de Ralos. # – Desentupimento de Esgotos. # – Desentupimento de Canos. # – Desentupimento de Vasos Sanitários. # – Desentupimento de Tubulações. # – Desentupimento de Tanques. # – Desentupimento de Colunas. # – Desentupimento de Privadas. # – Desentupimento de Ramais de Chuva. # – Desentupimento de Ramais de Esgoto. # – Desentupimento de Mictórios. # – Desentupimento de Caixas de Esgoto. # – Desentupimento de Banheiros. # – Desentupimento de Pias de Cozinha. # – Desentupimento de Ralos de Banheiro. # – Desentupimento de Lavatórios. # – Desentupimento. # – Dedetização. A Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo está no mercado de Desentupidora em Higienópolis a mais de 20 anos, e ao longo do tempo, vem atuando de forma com que nossos clientes, sejam sempre a prioridade. Atendimento especializado, equipe preparada, suporte 24 horas, e acima de tudo, a satisfação dos nossos clientes em 1º lugar. Não contrate uma empresa de Desentupidora em Higienópolis, em antes fazer uma cotação sem compromisso com a Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo. Avaliação sem Compromisso, Orçamento Gratuito. Orçamento Gratuito, Desentupidora em Higienópolis,Entupiu Chame Desentupidora em São Paulo,Desentupidora em Higienópolis Urgente,Desentupidora em Higienópolis 24hs,Orçamento de Desentupidora em Higienópolis,Empresa de Desentupidora em Higienópolis,Desentupidora em Higienópolis SP “Atendemos todos os Bairros de São Paulo” Desentupidora em Americanópolis | Higienópolis | Imirim | Interlagos | Itaim Paulista | Itaquera | Mirandópolis | Moema | Parelheiros | Perdizes | Perus | Pinheiros | Pirituba | Santana | Santo Amaro | São Mateus | São Miguel Paulista | São Rafael | Sapopemba | Aclimação | Anhanguera | Barra Funda | Bela Vista | Capela do Socorro | Casa Verde | Chácara Flora | Chácara Klabin | Chácara Santo Antônio | Cidade Ademar | Cidade Dutra | Cidade Jardim | Cidade Lider | Cidade Patriarca | Consolação | Freguesia do Ó | Granja Julieta | Lapa | Liberdade | Mooca | Parada Inglesa | Penha | Pompéia | Raposo Tavares | República | Santa Cecília | Santa Ifigênia | Saúde | Serra da Cantareira | Vila Carrão | Vila Clementino | Vila das Mercês | Vila Formosa | Vila Guilherme | Vila Leopoldina | Vila Madalena | Vila Maria | Vila Mariana | Vila Mascote | Vila Olímpia | Vila Prudente | Vila Romana | Vila Santa Catarina | Alto da Boa Vista | Alto da Lapa | Bom Retiro | Brás | Brooklin | Butantã | Campo Belo | Cursino | Grajaú | Horto do Ipê | Horto Florestal | Ibirapuera | Iguatemi | Ipiranga | Itaim Bibi | Jabaquara | Jaçanã | Jaguara | Jaguaré | Jaraguá | Jardim Anália Franco | Jardim Aricanduva | Jardim da Saúde | Jardim Helena | Jardim Marajoara | Jardim Paulista | Jardim São Paulo | Jardim Sul | Limão | Mandaqui | Morumbi | Pacaembu | Paraíso | Sacomã | São Judas | Tatuapé | Tremembé | Tucuruvi ,
 

Está gostando de nossos artigos, compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
  •  Rua Glauco Velasques, 285, Casa Verde
  •  (11) 2822-9612
  •  (11) 2836-6065
  •  (11) 98776-7059
  •  (11) 9 9739-5404
  •  Rua H, 38, Parque Vera CRUZ
  •  (12) 3674-3511
  •  (12) 99149-0615
  •  (11)98776-7059

Projetos realizados

%d blogueiros gostam disto: