Whatsapp

(11) 9 9739-5404

Ligue para nós

(11) 2822-9612

Ligue para nós

(11) 2836-6065

Whatsapp

(11) 9 9739-5404

Ligue para nós

(11) 2822-9612

Desentupidora Na AVENIDA PAULISTA 98776-7059 / 99739-5404

Desentupidora Na AVENIDA PAULISTA 98776-7059 / 99739-5404

Das avenidas de São Paulo, a avenida Paulista é a mais famosa, conhecida, citada, frequentada. É a mais paulistana das vias. Seus pouco menos de três quilômetros de extensão plana em uma das áreas mais altas da cidade abrigam calçadas largas, seis faixas para carros mais duas centrais (para bicicletas) que servem de solo para as jornadas de trabalho, estudo e lazer de milhares de pessoas todos os dias. A Paulista abriga da sede da Presidência em São Paulo a espaços culturais (incluindo livrarias e cinemas), de faculdades a hospitais, de restaurantes da comunidade japonesa escondidos em galerias à uma igreja católica que celebra missas em ingles para estrangeiros. Com 200 mil moradores, se a avenida fosse uma cidade, estaria entre as 150 maiores do país (segundo a Wikipedia). A Paulista nasceu para expandir a cidade, se tornou o centro financeiro do país e hoje é… o quê? Difícil dizer. A Avenida Paulista, coração e alma de São Paulo, está sempre em transformação. Nessa primeira parte de uma série em que vamos falar sobre diferentes aspectos da avenida, começamos pela sua gênese. Como nasceu a Avenida Paulista? Ao contrário de várias vias históricas da cidade, que cresceram naturalmente com o trânsito de pessoas, a larga e plana Avenida Paulista foi planejada. Em 1891, quando a avenida foi inaugurada, São Paulo era uma cidade em expansão. O projeto da Paulista nasceu da necessidade de expandir a cidade para além da região central (Praça da República, Campos Elísios, região do Triângulo), já totalmente ocupada e super valorizada. avenida_paulista_historia Inauguração da Avenida Paulista por Jules Victor André Martin O planalto onde hoje é a Paulista servia de passagem de boiadas a caminho do matadouro e havia ali chácaras, casebres e cocheiras. A ideia era então urbanizar a área, abrindo a via para passagem de bondes e carruagens, e também criar regras no espaço para a construção de palacetes. Esses vieram ao longo do começo do século, construções de famílias da elite, sempre ocupando lotes amplos. As primeiras casas foram construídas com dinheiro da agricultura e comércio: negociantes, novos-ricos, recém chegados de famílias europeias, fazendeiros de café. A variedade de habitantes se fez ver nos estilos das construções. Quem reclama que hoje a Paulista não tem identidade talvez não saiba que ela nasceu assim: neoclássica, art-nouveau, mourisca, florentina. Para a Associação Paulista Viva, as construções da avenida eram “bizarras às vezes, sóbrias demais outras, apoteóticas, exageradas, suaves, confortáveis, as mansões refletiam fantasias e sonhos, de proprietários e arquitetos.” serieavenidapaulista Casa de Horácio Sabino, a primeira construção art nouveau do país, ficava onde hoje é a esquina da Paulista com a Augusta (fonte: SP City) Apesar da fama de “corredor dos barões do café”, de integrante da nobreza mesmo teve apenas uma moradora: a Baronesa de Arary, cujo casarão ocupava a área onde hoje a avenida encontra a rua Peixoto Gomide, ao lado do Trianon (veja abaixo essa a outras curiosidades da Paulista). Mas o equivalente paulistano de nobreza também esteve ali, claro, mais especificamente no número 1230, onde hoje é o Shopping Cidade São Paulo. A mansão da família Matarazo sobreviveu na Paulista até 1996, quando o enorme imóvel foi demolido. Não houve falta de gente tentando impedir, inclusive a Prefeita Luiza Erundina tentou instalar ali o Museu do Trabalhador. Dá pra ler essa história inteira no Acervo Estadão. mansaomatarazoestadao Demolição da Mansão Matarazo, 1996 (fonte: Estadão) Uma avenida que muda A Paulista foi a primeira via da cidade a receber asfalto, em 1909, e foi uma via residencial até meados da década de 1950, empreendimentos comerciais e de serviços começaram a abrir fora da “cidade” (já reparou que os mais velhos chamam o Centro de “cidade”?). Os modernos “espigões” da Paulista foram resultado de mudanças da legislação de uso e ocupação do solo após a década de 1960. Os edifícios sedes de bancos e de grandes empresas nacionais e internacionais, às vezes com mais de 30 andares, deram a cara urbana e eclética que a Paulista tem hoje. São dessa época também os calçadões com o desenho estilizado do estado, antes feito com mosaico português. avenida_paulista_calcada_shutterstock Calçadas de mosaico português, inacioluc via shutterstock Apesar do MASP estar lá desde 1947, a Paulista reforça sua vocação para polo cultural a partir dos anos 1990, quando as sedes de corretoras de valores, bancos e outras instituições financeiras migram para a região da Avenida Berrini. A abertura do Centro Cultural FIESP (projetado por Paulo Mendes da Rocha), do Sesc Avenida Paulista, do Itaú Cultural, do cinema Reserva Cultural e, mais recentemente, da Japan House e do Instituto Moreira Salles, são os exemplos mais notáveis dessa mudança – e esse é o assunto do próximo post da série. Essa característica mutável da Paulista é miniatura da história de São Paulo: uma área rural usada como passagem de animais de carga, construída para estender os limites de uma região central que já dava sinais de esgotamento, transformada em símbolo do progresso do país no meio do século passado e enfim abraçada pela população que busca (e também fornece) cultura e lazer. 10 curiosidades da história da Avenida Paulista A Paulista mudou de nome uma vez, nos anos 1920, para Avenida Carlos de Campos, antigo governante do estado. A pressão da sociedade fez com quem ela voltasse para o nome original, que mantém até hoje. (fonte: wikipedia) O uruguaio Joaquim Eugênio de Lima foi o engenheiro responsável pelo planejamento da via e pela compra de terrenos de famílias como os Pamplona e Paim Vieira. Uma das compras mais importantes para formar a área foi a da chácara Bela Vista. Todos esses nomes são familiares a quem trafega pela região. (fonte: Paulista Viva) Até meados da década de 1980 a Casa das Rosas era residência dos herdeiros de Ramos de Azevedo, o arquiteto que desenhou e construiu alguns dos mais belos prédios da cidade, como o Teatro Municipal, a Pinacoteca do Estado e o Mercado da Cantareira. (fonte: Casa das Rosas Institucional) O primeiro McDonalds de São Paulo (segundo do Brasil, o primeiro foi no Rio de Janeiro) foi aberto da Avenida Paulista em 1981. (fonte: O Estado De São Paulo) O Conjunto Nacional começou a ser construído em 1952 e é marca do momento em que a Paulista deixa de ser uma avenida residencial. Projetado para ser um espaço múltiplo, abriu o primeiro endereço do Fasano e hoje é endereço da maior livraria da América Latina: a Cultura. (fonte: Veja SP) avenida_paulista_conjunto_nacional Conjunto Nacional por alf ribeiro via shutterstock O Clube Homs, tradicional espaço de eventos da comunidade síria em São Paulo, foi batizado em homenagem à cidade que mais “exportou” sírios para o Brasil. Homs foi totalmente destruída pela guerra no país (fonte: O Globo) O “treme-treme da Paulista”, o condomínio Baronesa de Arary, onde viveram Elke Maravilha, Walmor Chagas e Cacilda Becker, entre outras personalidades artísticas da cidade, foi interditado pela Prefeitura nos anos 1990 por problemas de manutenção e falta de segurança. É ainda hoje o maior edifício residencial da Paulista e tem vista para o Parque Trianon. (fonte: SP City) A antena mais alta da avenida é a da Casper Líbero, em cima do prédio da Fundação Cásper Líbero, onde além da faculdade funciona o teatro, a TV e a rádio Gazeta e o cinema reserva Cultural (onde não se pode comer pipocas!) O Mirante 9 de Julho, onde fica a escadaria e um café, foi construído em 1938 acima do túnel da Avenida 9 de Julho e ficou fechado por mais de 70 anos. Em 2014, numa parceria público-privada, foi reaberto ao público na forma de um café e espaço de eventos. É uma das coisas da Paulista que não fica na Paulista, mas no entorno: exatamente atrás do vão livre do MASP (fonte: São Paulo Antig
a e site do Mirante) “Por que a estação Paulista fica na Consolação e a Estação Consolação fica na Paulista?” É porque a Paulista tem três estações de metrô, todas da Linha Verde e abertas com grande pompa em 1991: a Brigadeiro (na esquina da Rua Brigadeiro Luiz Antônio, que liga a Paulista ao Centro Velho), a Trianon-MASP (na quadra imediatamente anterior ao parque e museu) e a Consolação (que bem poderia se chamar Augusta ou Conjunto Nacional). Já a Estação Paulista, da Linha Amarela, fica ao lado do Cine Belas Artes e dá acesso subterrâneo à Paulista. Crédito imagem destacada: Avenida Paulista por Thiago Leite via Shutterstock Clube Grandes Viajantes Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar. Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser. Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha: 1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/> 2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos. Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes. recompensas clube recompensas clube Compartilhe! Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Compartilhar no Linkedin Comente esse texto KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS Receba nossas novidades por email e baixe gratuitamente o kit EU QUERO Clique e assine nossa newsletter Gaia Passarelli Gaía Passarelli, 42, tem longa careira no jornalismo cultural brasileiro, foi apresentadora de televisão e hoje escreve para diversas publicações. Tem no currículo trabalhos para companhias internacionais como Avianca, Eurail e Intercontinental Group. Seu livro de crônicas de viagem “Mas Você Vai Sozinha?” foi lançado pela Globo Livros em 2016. Acompanhe pelo Instagram em @
A Avenida Paulista é um dos logradouros mais importantes do município de São Paulo, a capital do estado homônimo. Está localizada no limite entre as zonas Centro-Sul, Central e Oeste; e em uma das regiões mais elevadas da cidade, chamada de Espigão da Paulista. Considerada um dos principais centros financeiros da cidade, assim como também um dos seus pontos turísticos mais característicos[2], a avenida revela sua importância não só como polo econômico, mas também como centralidade cultural e de entretenimento. Abriga um grande número de sedes de empresas, bancos, consulados, hotéis, hospitais, como o tradicional Hospital Santa Catarina e instituições científicas, como o Instituto Pasteur, culturais, como o MASP e o Sesc Avenida Paulista e educacionais, como os tradicionais Colégio São Luís e a Escola Estadual Rodrigues Alves. Também não deixa de existir o lazer, contém grandes shoppings e uma diversidade enorme de lugares para comprar, desde o Shopping Paulista e o Cidade São Paulo, até os camelôs. Pela Paulista todos os dias, movimentam-se milhares de pessoas oriundas de todas as regiões da cidade e de fora dela, é um dos lugares de São Paulo com a maior diversificação cultural possível. Além disso, a avenida é um importante eixo viário da cidade ligando importantes avenidas como a Dr. Arnaldo, Rebouças, 9 de Julho, Brigadeiro Luís Antônio, 23 de Maio, rua da Consolação e a Avenida Angélica. De acordo com a Associação Paulista Viva, a população residente na avenida era de 5 mil em 2014.[3] Índice 1 História 1.1 Século XIX 1.2 Século XX 2 Características 2.1 Espaços públicos e culturais 2.2 Conjunto arquitetônico 2.3 Eventos 2.4 Espaço de lazer aos domingos 3 Lista de monumentos 4 Ver também 5 Referências 6 Ligações externas História Século XIX A avenida foi criada no final do século XIX, a partir do desejo de paulistas em expandir na cidade novas áreas residenciais que não estivessem localizadas imediatamente próximo às mais movimentadas centralidades do período, por essa época altamente valorizadas e totalmente ocupadas, tais como a Praça da República, o bairro de Higienópolis e os Campos Elísios. A avenida Paulista foi inaugurada no dia 8 de dezembro de 1891, por iniciativa do engenheiro Joaquim Eugênio de Lima e do dr. Clementino de Sousa e Castro (na época Presidente do conselho de intendências da cidade de São Paulo, atual cargo de prefeito), para abrigar paulistas que desejavam adquirir seu espaço na cidade.[4] Naquela época, houve grande expansão imobiliária em terrenos de antigas fazendas e áreas devolutas, o que deu início a um período de grande crescimento. As novas ruas seguiam projetos desenvolvidos por engenheiros renomados, e nas áreas mais próximas à avenida e a seu parque central os terrenos eram naturalmente mais caros que nas áreas mais afastadas; não havia apenas residências de maior porte, mas também habitações populares, casebres e até mesmo cocheiras em toda a região circundante. Seu nome seria avenida das Acácias ou Prado de São Paulo, mas Lima declarou: “ Será Avenida Paulista, em homenagem aos paulistas ” “Avenida Paulista no dia da inauguração, 8 de dezembro de 1891”. Aquarela de Jules Martin. Joaquim Eugênio de Lima (1845-1902), uruguaio, associou-se a João Borges de Figueiredo e João Augusto Garcia e iniciaram a compra de terrenos no espigão entre os rios Tietê e Pinheiros. Em 1890 adquiriram na rua Real Grandeza (depois avenida Paulista) dois terrenos de José Coelho Pamplona e de sua mulher Maria Vieira Paim Pamplona e no mesmo ano mais dois lotes de Mariano Antonio Vieira e de sua mulher Maria Izabel Paim Vieira. Depois adquiriram a Chácara Bela Cintra de Cândido de Morais Bueno. Toda a região local servia na época de passagem de boiadas a caminho do matadouro. O plano da avenida foi elaborado pelo agrimensor Tarquínio Antonio Tarant e, como deveria ser plana, exigiu o aterro de um vale na atual avenida 9 de julho. A avenida Paulista tem cerca de três quilômetros de comprimento e doze metros de largura e é dividida em: uma parte para bondes, a do centro para carruagens e a outra para cavaleiros, todas ladeadas por daiélsios e rodriguzes. O piso carroçável era coberto por pedregulhos brancos. Foi inaugurada, juntamente com a linha de bondes, em 1891. O bonde elétrico chegou nove anos depois, em 1892. Em 1898 procedeu-se a uma reforma, com novo calçamento, derrubada de quatro fileiras de árvores e alargamento dos passeios, que foram arborizados com ligustruns e ipês.[5] Século XX A avenida em 1902, vista da residência de Adam Von Bülow. Foto de Guilherme Gaensly. A avenida em 1928. Em 20 de maio de 1927, seu nome foi alterado para avenida Carlos de Campos, homenageando o ex-presidente (governador) do estado, mas a reação da sociedade (que continuava a denominá-la “Paulista” apesar da mudança) e a Revolução de 1930 fez com que a avenida voltasse em 13 de novembro do mesmo ano a ter o nome com o qual foi criada e é conhecida até os dias de hoje.[6][4] A avenida foi aberta seguindo padrões urbanísticos relativamente novos para a é
poca: seus palacetes possuíam regras de implantação que, como conjunto, caracterizaram uma ruptura com os tecidos urbanos tradicionais. Os novos palacetes incorporavam os elementos da arquitetura eclética (tornando a avenida uma espécie de museu de estilos arquitetônicos de períodos e lugares diversos) e dos novos empreendimentos norte-americanos: estavam todos isolados no meio dos lotes nos quais se implantavam, configurando um tecido urbano, diferente do restante da cidade, que alinhava a fachada das edificações com a testada do terreno. Isso fez com que a avenida possuísse uma amplidão espacial inédita na cidade. A avenida Paulista foi a primeira via pública asfaltada de São Paulo, em 1909, com material importado da Alemanha, uma novidade até na Europa e nos Estados Unidos.[7] Esse perfil estritamente residencial da avenida permaneceu até meados da década de 1950, quando o desenvolvimento econômico da cidade levava os novos empreendimentos comerciais e de serviços para regiões afastadas do seu centro histórico. Durante as décadas de 1960 e 1970, porém, e seguindo as diretrizes das novas legislações de uso e ocupação do solo, e a valorização dos imóveis incentivada pela especulação imobiliária, começaram a surgir naquele local os seus agora característicos “espigões” – edifícios de escritórios com 30 andares em média.[8] Durante esse período, a avenida passou por uma profunda reforma paisagística. Os leitos destinados aos veículos foram alargados e criaram-se os atuais calçadões, caracterizados por um desenho branco e preto formado por mosaico português. O projeto de redesenho da avenida ficou a cargo do escritório da arquiteta-paisagista Rosa Grena Kliass, enquanto o projeto do novo mobiliário urbano da avenida foi assinado pelo escritório Ludovico & Martino. Fotografia panorâmica da Avenida Paulista à noite a partir do Edifício Gazeta. Características Espaços públicos e culturais Casa das Rosas Museu de Arte de São Paulo (MASP) A avenida possui muitos restaurantes que recebem diariamente milhares de pessoas que moram e trabalham na região. Nela se localiza o conceituado Museu de Arte de São Paulo, o MASP, estabelecido na rua 7 de Abril, onde antes era o Belvedere Trianon, terreno doado para a prefeitura com a exigência de que a vista não fosse obstruída. O museu se instalou em sua nova sede em 7 de novembro de 1968, sendo inaugurada pela rainha do Reino Unido, Elisabeth II, na presença do então governador Roberto Costa de Abreu Sodré e dona Maria do Carmo de Abreu Sodré. A Feira de Antiguidades do MASP funciona desde 1979, sendo organizada pela Associação de Antiquários do Estado de São Paulo (AAESP) e ocorre no vão livre do museu, aos domingos, das 10h às 17h. Reúne artefatos e uniformes de guerra, condecorações, câmeras fotográficas, porcelanas, cristais, joias, pratarias, entre muitos outros artigos.[9] Está localizado também na avenida o Parque Tenente Siqueira Campos, também conhecido como Parque Trianon. Possui faixas largas para pedestres e é servida pelas estações Brigadeiro, Trianon-Masp, Consolação (da Linha 2-Verde) e Paulista (da Linha 4-Amarela) do Metrô de São Paulo. Na Praça Oswaldo Cruz, onde tem início a avenida, no lado da Subprefeitura de Vila Mariana (o outro lado pertence à da Sé), existe uma bela escultura do Índio Pescador. Na Praça Marechal Cordeiro de Farias, no final da avenida, no seu centenário, em 1991, foi encomendada à artista plástica Lilian Amaral e ao Arquiteto Jorge Bassani, a escultura Arcos ou Caminho, (também chamada de Arco-íris metálico), composta por 12 arcos coloridos, seguindo uma sequência tridimensional que explora o espaço, o que permite passagem do público por entre os arcos. Há também a Praça do Ciclista, um espaço localizado no canteiro central da Avenida Paulista, entre a Rua Bela Cintra e a Rua da Consolação, e foi criada no ano de 2007 pelo então prefeito Gilberto Kassab.[10][11] Em 2017, foram inaugurados mais dois centros culturais: Japan House dedicado a cultura japonesa e o Instituto Moreira Salles.[12][13][14] Já em 2018 é reinaugurado o Sesc Avenida Paulista. Fechado em 2010 para reforma, a unidade foi idealizada pelos arquitetos Konigsberger e Vannucchi. A ação do Sesc na região é pioneira, onde atividades integradas de lazer, cultura e esporte eram realizadas desde a década de 50 num antigo casarão localizado ao fim da avenida.[15] Em sua extensão está a maior concentração de consulados da cidade, sendo eles os da África do Sul, Albânia, Argentina, Bélgica, Bolívia, Chile, Coreia do Sul, França, Índia, Itália, Japão, Jordânia, Líbano, Luxemburgo, Mônaco, República Dominicana, Síria, Suíça e Taiwan.[16][17] Conjunto arquitetônico Paulista à noite Conjunto Nacional Edifício da FIESP No seu conjunto arquitetônico, possuía vários casarões de famílias tradicionais de fazendeiros ligados ao café, denominados por muitos, os Barões do café, assim como de novos ricos, em sua maioria de origem árabe e italiana. Porém, em realidade, a única Titulada do Império Brasileiro a residir na avenida, em casa projetada pelo arquiteto Victor Dubugras, em 1916 (nos dias de hoje endereço do polêmico Edifício Baronesa de Arary), foi a Baronesa de Arary, Maria Dalmacia de Lacerda Guimarães, filha do Barão de Araras e avó de Cesario de Lacerda Coimbra, genro de Horacio Sabino e neto de Cesário Cecílio de Assis Coimbra.[18][19]Poucos casarões ficaram, como é o caso da Casa das Rosas, uma obra do escritório do renomado arquiteto Ramos de Azevedo, para residência de sua filha, que atualmente é público, abrigando biblioteca e oferecendo exposições e lançamentos de livros. Outro antigo casarão remanescente é o da Residência Joaquim Franco de Melo, que se localiza no número 1.919. Foi construído em 1905 e tombado pelo Condephaat, em 1992.[20] Ainda em pé também está o edifício da Escola Estadual Rodrigues Alves, erguido em 1919 com arquitetura neoclássica. É tombado desde 1982 e, hoje, situa-se no número 227 da avenida.[21] Fundado em 1903, a casa do Instituto Pasteur é vinculada à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e constitui uma organização que desenvolve tratamentos e pesquisas sobre a raiva animal.[22] Torres de radiodifusão localizadas na avenida A Maison Dener não é tombada pelo Patrimônio Histórico e nem obtém um autor conhecido. Durante as décadas de 1960 e 1970, porém, foi lar do estilista Dener Pamplona de Abreu e, por isso, leva o seu nome. Por alguns anos, abrigou uma franquia do McDonald’s e uma agência bancária Santander.[23] O número 1.811 da Avenida Paulista pertence à Casa das Uvaias, prédio que, por muitos anos, acolheu uma agência bancária da Bankboston, e posteriormente a agência bancária de luxo do Itaú Personalité.[24] Durante as festividades de fim de ano, a edificação costumava fazer parte da decoração natalina da região.[25][26] O Edifício Anchieta, um projeto dos arquitetos Marcelo Roberto e Milton Roberto, de 1941, do conceituado escritório da Arquitetura Moderna Brasileira, o MMM Roberto, é o último da Avenida Angélica, com frente para a Avenida Paulista. É famosa também a antena do prédio da Fundação Cásper Líbero, sendo a maior e mais alta da avenida e que chama a atenção devido à sua iluminação amarelada. O mesmo prédio também é famoso por suas escadarias, pelo Teatro Gazeta, pela sede da TV Gazeta, da Gazeta FM, da Faculdade Cásper Líbero e pelo cinema Reserva Cultural.[27] Na avenida também se localiza o Conjunto Nacional, complexo que abriga área comercial, com variado tipo de lojas, como a Livraria Cultura, a sede da Rede Jovem Pan de rádio, cinemas, e pontos de alimentação, assim como um prédio residencial. Abrange o quadrilátero da Avenida Paulista, rua Padre João Manuel, alameda Santos e rua Augusta. Construído onde ficava o palacete residencial – igualmente projetado por Victor Dubugras ao redor de 1901 – da família de Horácio Sabino, cuja esposa, dona América Milliet Sabino, foi homenageada com a “Vila América”,
Jardim América como foi denominada, posteriormente, a região.[28] Na avenida também está localizada o edifício-sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), que também abriga o Sesi, que, por sua vez, possui teatro para apresentações gratuitas. Eventos XVIII Parada do orgulho LGBT de São Paulo Todos anos são realizadas as festas de réveillon na avenida. Na passagem de ano para 2009, participaram cerca de 2,4 milhões de pessoas.[29] Foram mais de 15 minutos de espetáculo com fogos de artifício, os quais foram lançados de dois edifícios da avenida, cruzando-se no ar e formando um portal de luz para o início do ano de 2009.[30] Anualmente, na Avenida Paulista ocorre também a Parada do orgulho LGBT de São Paulo, a maior do Brasil e considerado a maior do mundo. Atraindo milhares de pessoas do município e de outras regiões do país.[31] A Corrida de São Silvestre ocorre tradicionalmente no dia 31 de dezembro, com saída em frente ao prédio da Gazeta, percorrendo várias ruas e avenidas do Centro da cidade, e retornando ao mesmo local, vindo da avenida Brigadeiro Luís Antônio, contando com a participação de atletas nacionais e internacionais.[32] A avenida paulista é famosa por ter se tornado sede de manifestações na cidade. O ponto de encontro se fixou em 2013 nas manifestações que tomaram conta do Brasil, devido a insatisfação da população com o governo na época e suas medidas. Depois disso os eventos foram aumentando, com grupos atacando o prédio da FIESP, o MST acampando, entre outros protestos, de grande e pequeno porte, localizados na avenida.[33] Espaço de lazer aos domingos Ciclovia da Paulista Após a criação do programa “Ruas de Lazer” pela prefeitura de São Paulo em 1976, a primeira tentativa de transformar a Avenida Paulista em área de lazer regular aos domingos ocorreu em setembro de 1982, através do programa “Domingo na Paulista”, realizado pela secretaria da cultura do governo do estado de São Paulo.[34][35] Em 26 de setembro de 1982 ocorreu a primeira edição do programa, no trecho da avenida compreendido entre a Ruas Itapeva e Augusta, que atraiu vinte mil pessoas para assistirem a shows e apresentações teatrais. O único protesto contra a iniciativa veio da Associação dos Antiquários do estado, que alegou prejuízos aos seus associados que ocupavam o vão livre do Masp com a feira de antiguidades. O projeto acabou descontinuado algum tempo depois.[36] Avenida Paulista fechada durante um domingo No dia 25 de junho de 2016, o prefeito em exercício Fernando Haddad, publicou no Diário Oficial do município de São Paulo o decreto que oficializa a abertura da avenida como espaço de lazer aos domingos e aos feriados nacionais. Um dos símbolos da cidade, a avenida fica restrita a veículos das 10 às 19 horas e no documento oficial que permitiu a medida, inserida no programa “Ruas Abertas”, outras ruas também devem ficar abertas, tornando os locais livres para lazer e cultura para pedestres e ciclistas.[37] As pessoas vão a Paulista aos domingos para passear de bicicleta, skate, patins e até passear com os seus animais. Com isso, diminui-se o transporte privado, há um estímulo ao convívio das pessoas de diferentes jeitos, classes sociais e cultura em um só lugar, e à saúde, por propiciar que os transeuntes se exercitem. Além disso, também ocorrem eventos, como shows ao vivos, sendo a maioria gratuita.[38] O decreto também terá sua eficácia monitorada por um comitê formado por organizações civis, sendo que o primeiro teste de fechamento da via se deu em junho de 2015, na inauguração da ciclovia no canteiro central da avenida.[37] Como estratégia de remanejamento do trânsito, os ônibus são redirecionados para vias paralelas, como a Alameda Santos e a rua São Carlos do Pinhal; carros e motos seguem a mesma adequação. Moradores e clientes de alguns estabelecimentos têm a autorização de entrar e sair com seus carros dos prédios. Lista de monumentos Atualizar a lista automaticamente agora | SPARQL |Pesquisar imagens Esta lista é gerada a partir dos dados do Wikidata e é atualizada periodicamente por um robô. Edições feitas no conteúdo da lista serão removidas na próxima atualização! Imagem Título Criador Ano de criação/fundação Material Categoria no Commons Identificador de monumento Identificador de escultura Bartolomeu Bueno da Silva1.jpg Anhanguera Luigi Brizzolara 1935 bronze mármore granito Monumento ao Anhanguera anhanguera 101 Aretuza, Parque Trianon – panoramio.jpg Aretuza Francisco Leopoldo e Silva granito bronze mármore Aretuza aretuza 102 Avenida Paulista 100 Anos betão bronze Bebedouro 04.jpg Bebedouro rocha alvenaria Bebedouro (statue) bebedouro Caminho 07.jpg Caminhos Jorge Bassani Lilian Amaral 1991 alumínio Caminho caminhos 50 Fauno (Victor Brecheret).jpg Fauno Victor Brecheret granito bronze Fauno by Victor Brecheret (granite, 1942) fauno 60 Miranda en la Avenida Paulista.jpg Francisco de Miranda Carmello Tabacco Lorenzo González 1978 granito bronze Francisco de Miranda by Carmelo Tabacco (bronze, 1978) francisco_miranda 62 Estátua de Joaquim Eugênio de Lima por Roque de Mingo.jpg Joaquim Eugénio de Lima Roque de Mingo bronze granito Joaquim Eugênio de Lima by Roque de Mingo (bronze, 1952) joaquim_eugenio_de_lima Busto do Padre Roberto Landell de Moura.jpg Padre Roberto Landell de Moura bronze alvenaria Bust of Roberto Landell de Moura padre_roberto_landell_de_moura At Paulista Avenue, São Paulo, Brazil 2018 019.jpg Painel da Gazeta Carlos Lemos Gazeta panel Painel do Edifício Nações Unidas.JPG Painel do Edifício Nações Unidas Clóvis Graciano Edifício Nações Unidas panel by Clóvis Graciano Escultura da Tomie Ohtake na Avenida Paulista 02.jpg Sem Título Tomie Ohtake 2015 aço inoxidável Sculpture by Tomie Ohtake (Avenida Paulista, 2015) Indio Pescador – Diagonal.jpg Índio pescador Francisco Leopoldo e Silva Índio Pescador indio_pescador Fim da lista gerada automaticamente. Ver também Avenida Rio Branco (Rio de Janeiro) Avenida Afonso Pena (Belo Horizonte) Avenida Djalma Batista (Manaus) Eixo Monumental (Brasília) Avenida Presidente Vargas (Rio de Janeiro) Avenida 9 de Julho (Buenos Aires) Paseo de la Reforma (Cidade do México) Sheikh Zayed Road (Dubai) Avenida Champs-Élysées (Paris) Quinta Avenida (Nova York) Ataques contra homossexuais em São Paulo em 2010 Referências «Cata-bagulho passa novamente pela Bela Vista». Consultado em 25 de junho de 2011 «Paulista e Masp: destino mais procurado pelos turistas». Veja São Paulo «Quantas pessoas moram na Av. Paulista?». Estadão. 7 de janeiro de 2014. Consultado em 22 de agosto de 2019 Carlos Eduardo Entini; Liz Batista (8 de Dezembro de 2016). «Avenida Paulista completa 125 anos». Estadão. Cópia arquivada em 28 de Agosto de 2018 Reale, Ebe. Brás, Pinheiros, Jardins; três bairros, três mundos. São Paulo: Pioneira; Ed. da Universidade de São Paulo, 1982. 225p. Avenida Paulista já se chamou Carlos de Campos, Acervo Estadão, 28 de agosto de 2015 «Fluxo de pedestres na Paulista cresce 15%». FSP. 25 de janeiro de 2009. Consultado em 25 de janeiro de 2009 http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx Revista Veja ed. 402 mai/1976 – página 50 «Paulista e Masp: destino mais procurado pelos turistas». Veja São Paulo «Parque Trianon faz 125 anos de verde no coração da Avenida Paulista; veja foto aérea». G1 «Avenida Paulista, mais de 120 anos… a mais paulista das avenidas | SciELO em Perspectiva». SciELO em Perspectiva (em inglês). 31 de julho de 2013 «Avenida Paulista terá mais três opções de centros culturais até 2017 | VEJA SÃO PAULO». VEJA SÃO PAULO «Avenida Paulista ganha novo espaço cultural neste mês». Agência Brasil – Últimas notícias do Brasil e do mundo «Japan House chega à Paulista para mostrar o “novo Japão” | VEJA SÃO PAULO». VEJA SÃO PAULO Menon, Isabella. «Reabertura do Sesc reforça corredor cultural da Avenida Paulista». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de abril de 2018 Consulados Consulados Internacionais «Janela da Historia recria os casarões da Avenida
Paulista – São Paulo». Janela da Historia recria os casarões da Avenida Paulista – São Paulo. Consultado em 21 de novembro de 2017 «Foi-se a mansão, ficou o nome da ilustre moradora – São Paulo – Estadão». Estadão Conheça sua Cidade: ‘Casarão da Paulista’ é alvo de ação e se deteriora, Consultado em 14 de setembro de 2016. Ficha de Identificação, Consultado em 14 de setembro de 2016. Instituto Pasteur de São Paulo: cem anos de combate à raiva, Consultado em 14 de setembro de 2016. Um passeio pela mais paulista das avenidas, Consultado em 14 de setembro de 2016. A herança dos barões de café não se resume a pó na Avenida Paulista, Consultado em 14 de setembro de 2016. «Decoração natalina do Itaú terá novo endereço na Avenida Paulista | Da Redação | VEJA SÃO PAULO». 26 de agosto de 2015 Um passeio pela mais paulista das avenidas, Consultado em 14 de setembro de 2016. «Edifício Gazeta». Fundação Cásper Líbero. 5 de novembro de 2013 Folha de S. Paulo, ed. (10 de abril de 2014). «Morre aos 85 anos o arquiteto David Libeskind, autor do Conjunto Nacional». Consultado em 21 de outubro de 2014 «São Paulo comemora a virada na Avenida Paulista». SPTV. 1 de janeiro de 2009. Consultado em 10 de janeiro de 2009 «Feliz 2009». SPTV. 1 de janeiro de 2009. Consultado em 10 de janeiro de 2009 O Globo online, 05.06.2007: Parada gay é o evento que atrai mais turistas a São Paulo, acessado em 6 de junho de 2007 «Corrida Internacional de São Silvestre». BrasilEscola. Consultado em 28 de abril de 2013 «Grupo ataca prédio da Fiesp durante protesto contra PEC do teto na Av. Paulista». G1 G1 São Paulo (15 de agosto de 2016). «Saiba como cadastrar novas ruas de lazer na cidade de São Paulo». G1. Consultado em 25 de abril de 2020 «Paulista vai parar domingo para lazer». Folha de S.Paulo, ano 62, edição 19530, página 15. 22 de setembro de 1982. Consultado em 25 de abril de 2020 «A avenida Paulista é uma festa». Folha de S.Paulo, ano 62, edição 19535, página 11. 27 de setembro de 1982. Consultado em 25 de abril de 2020 «Avenida Paulista vai fechar até as 19h aos domingos – 09/11/2016 – Noticias – G1». http://g1.globo.com. http://g1.globo.com. 9 de novembro de 2016. Consultado em 5 de abril de 2017 SP, Agito (10 de fevereiro de 2017). «Show gratuito leva frevo para a Av. Paulista no domingo (12/2)». #AgitoSP. Consultado em 12 de abril de 2017 Ligações externas Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema: Commons Categoria no Commons História da Avenida Paulista Associação Paulista Viva O que faz da Avenida Paulista um dos principais pontos da cidade – Web Story [Expandir]vde Brasão da cidade de São Paulo.svg Cidade de São Paulo São Paulo City flag.svg Controle de autoridade Wd: Q41068WorldCatVIAF: 315161065EBID: ID Portal do Brasil Portal de São Paulo Portal da cidade de São Paulo Portal do turismo Categorias: Avenida PaulistaDistritos financeirosAtrações turísticas da cidade de São Paulo Esta página foi editada pela última vez às 17h59min de 19 de novembro de 2021.
,Avenida Paulista, Centro Atendemos todas as ruas da região: Avenida Paulista, Rua Leôncio de Carvalho, Rua Treze de Maio, Rua do Paraiso, Avenida Bernardino de Campos, Avenida 23 de Maio, Rua Abílio Soares, Rua Vergueiro, Rua Teixeira da Silva, Rua Maria Figueiredo, Rua Carlos Sampaio, Rua Cincinato Braga, Rua Manoel de Nobrega, Avenida Grigadeiro Luis Antônio, Rua Professor Antônio Mendes, Alameda Santos, Alameda Joaquim Eugênio de Lima, Rua São Carlos do Pinhal, Alameda Campinas, Rua Pamplona, Alameda Rio Claro, Rua Itapeva, Alameda Casa Branca, Avenida Nove de Julho, Rua Plínio Figueiredo, Rua Carlos Comenale, Rua Peixoto Gomide, Alameda Ministro Rocha Azevedo, Rua Frei Caneca, Rua Padre João Manoel, Rua Augusta, Rua Luís Coelho, Rua Haddock Lobo, Alameda Jaú, Alameda Itú, Alameda Franca, Alameda Tietê, Alameda Lorena, Rua Oscar Freire, Rua Bela Cintra, Rua da Consolação, Avenida Doutor Arnaldo, Avenida Angélica, Rua Minas Gerais e Rua Novo Horizonte entre outras. Desentupimento Atendimento expresso para desentupimento de rede sanitária. Plantão 24 horas, Atendimento Imediato. Se preferir agende uma visita. Frota própria com rastreamento e encanadores especialistas em desentupimentos, limpezas e caça vazamentos. Visita e orçamento totalmente sem compromisso. Atendimento especial para condomínios. Experimente. Limpa Fossa Zona Sul PRONTO ATENDIMENTO 24 x 7 365 DIAS DO ANO Desentupidora 24 Horas Avenida Paulista Parcerias para atendimento 24 horas Desentupimento na Avenida Paulista Desentupimento em Avenida Paulista Dicas Para Evitar Entupimento 1. Ramal de Pia de cozinha Utilize “ralinho japonês” no ralo da pia de cozinha para evitar que entre na rede de esgoto materiais que deveriam ir para o lixo como restos de comida, pedaços de plásticos de etiquetas, guardanapos, palitos e caroços de frutas. 2. Ramal de Tanque de lavar roupa Utilize sempre o tampão do ralo do tanque para não deixar que pequenas peças de roupas entrem no cano de esgoto. Muita gente também limpa a caixa de areia de gatos e cachorros no tanque o que faz com que restos de areia vão para o esgoto. 3. Ramal de Vaso sanitário Lugar de lixo é no lixo. Não jogue papel higiênico, absorvente, preservativo e restos de medicamento pelo vaso sanitário pois isso não dissolve na água e causa entupimentos frequentemente. 4. Ralo de banheiro Limpe regularmente o ralo do banheiro para evitar que o acúmulo de fios de cabelo cause um entupimento com o tempo. O aparecimento das famosas moscas de ralo é um importante indicador que o ralo do banheiro deve ser limpo com mais frequência. 5. Caixa de gordura Se a sua cozinha já tem uma caixa de gordura instalada lembre-se que esse sistema deve ser limpo regularmente. Em uma cozinha de restaurante por exemplo é recomendado que a limpeza se faça semanalmente. 6. Óleo, tinta etc.. Nunca jogue na rede de esgoto restos de óleo, tintas, combustíveis, solventes ou outros produtos parecidos, o descarte desse tipo de material deve ser feita de forma apropriada, procure pecala internet na sua região onde esses produtos devem ser descartados. Na dúvida acesse o site da Sabesp. 7. Ramal de Rede Água Pluvial Em época de chuva é que aparecem os problemas de entupimento de rede de água pluvial de condomínios e residências. Folhas, fuligens, resto de contrução e fezes de animais além de brinquedos e terra são os principais causadores de obstruções nessas tubulações. Principalmente nos condomínios a manutenção preventiva da rede de água pluvial deve ser feita regularmente, para evitar alagamentos de garagens e subsolo. Síndicos, zeladores e equipe de manutenção devem estar atento a isso, se não estão alerte isso na próxima reunião de condôminos. SERVIÇOS COM GARANTIA Para evitar danos mais graves ao local, não tente realizar o desentupimento de esgoto por conta própria. Quando tiver problemas nesse sentido, chame a desentupidora SP, para que possamos realizar uma inspeção e identificar o que está causando o problema e dar a melhor solução para resolvê-lo com um preço Justo. O esgoto não tratado pode prejudicar o meio ambiente e a saúde das pessoas. Os agentes patogênicos podem causar doenças como o cólera, a difteria, o tifo, a hepatite e muitas outras. Mau cheiro de esgoto na propriedade? Estamos prontos para atender qualquer demanda seja em uma residência, condomínio ou empresa. Não perca tempo ligue já e chame aDesentupidora. Limpa Fossa Avenida Paulista Limpeza de Fossa na Avenida Paulista Água Pluvial vs Água Esgoto Você conhece a diferença entre a rede de esgoto e a rede de drenagem de água da chuval? Não? Nós vamos explicar. Parece complicado, mas na realidade e muito simples. Uma coleta o esgoto dos imóveis e o leva até a estação de tratamento, a outra leva a água da chuva de volta aos rios. Vamos detalhar um pouco mais: A rede de esgoto coleta o efluente de cada residência, isto é, toda a água usada na pia da cozinha, banheiro, tanque, chuveiro, vaso
sanitário e o transporta para uma estação de tratamento onde esse esgoto é tratado e só então devolvido à natureza. Já a rede de drenagem água pluvial recolhe a água da chuva que não precisa passar por tratamento e a leva diretamente para os rios. Assim como a água e óleo, as redes de esgoto e água pluvial não se misturam, ou melhor, não devem se misturar. Quando isso ocorre, seja através de redes clandestinas ou ligação mal feita, surgem enormes problemas. Com a rede sobrecarregada o esgoto não tem por onde sair retornando para as residências ou rompendo a tubulação. Outro problema grave é que misturado com a água da chuva o esgoto chega a estação de tratamento muito diluído comprometendo a eficiência do processo. Sem o tratamento adequado o esgoto polui os rios e o solo e podem causar diversas doenças como a Diarreia, Difteria, Hepatite e Cólera. Agora que você sabe que esgoto e água da chuva não se misturam, verifique se as tubulações e ligações de sua residência estão corretas, ajude a manter as redes separadas e o eficiente funcionamento do sistema de esgoto da sua cidade. Uma atitude simples mais essencial para o meio ambiente e para a saúde de toda a vizinhança e de toda a cidade. A desentuServiços SP, tem os equipamentos e equipe de profissionais para executar essa análise e apresentar uma solução para o problema se ele existir. Documentamos com fotos e vídeos os serviços executados. Veja também na região: Desentupidora Aclimação Desentupidora Bela Vista Desentupidora Chácara Klabin Desentupidora Paraiso Desentupidora Santa Cruz Desentupidora Bela Cintra e Alameda Santos Desentupidora Perto da Bela Cintra Região da Paulista Atendimento expresso e personalizado para atendimento de condomínios residenciais ou comerciais com os melhores equipamentos e profissionais do mercado é com a desentupidor Serviços SP. Consulte. NOTÍCIAS AVENIDA PAULISTA Grupo de 100 pessoas faz arrastão na avenida Paulista Um grupo formado por cerca de 100 pessoas é suspeito de realizar um arrastão na avenida Paulista, em São Paulo, na tarde de domingo (19) – dia em que a via é fechada para veículos e aberta para pedestres. Segundo o Hora 1, da TV Globo, dezenas de celulares foram furtados. Até o momento, 45 vítimas registraram boletim de ocorrência no 78º DP (Distrito Policial), nos Jardins. A polícia está analisando imagens de câmeras de vigilância para tentar identificar os criminosos. A suspeita é que o grupo tenha combinado o arrastão pela internet e utilizado uma estratégia de corrente, em que os celulares eram furtados e passados de mão em mão. Quatro suspeitos foram detidos – três homens e um adolescente de 13 anos. Apenas um celular foi recuperado. PANDEMIA Coronavírus: ‘Brasil já está na 2ª onda de Covid-19’, diz pesquisador da USP Dados da pandemia mostram que o novo coronavírus voltou a se propagar intensamente na maioria dos estados do país, levando a um novo aumento da média nacional de casos. COLABORE Devemos todos nesse momento deixar os corredores e avenidas de São Paulo próximos aos hospitais livres para o tráfego das ambulâncias de atendimento emergencial. Não podemos politizar a questão da saúde e colocar a vida de milhares em risco. Se você não atua em serviços essenciais fique em casa e colabore com o esforço para parar a dissiminação do vírus em nossa cidade. Continuamos trabalhando para que os serviços de saneamento básico como a sua rede de esgoto continuem funcionando normalmente. DESENTUPIDORA Limpeza de Fossa Avenida Paulista Desentupidora na Avenida Paulista Desentupidora Avenida Paulista 03/05/21 Desentupidora Paulista Avenida Paulista Desentupidora Avenida Paulista Desentupimento Avenida Paulista Limpa Fossa Desentupidora com Hidro Jato Paulista Desentupidora Condomínio Paulista Desentupidora Cozinha Paulista Desentupidora de Banheiro na Avenida Paulista Desentupidora de Banheiro Paulista Desentupidora de Cano Paulista Desentupidora de Ralo de Banheiro Paulista Desentupidora de Ralo de Box Paulista Desentupidora de Vaso Sanitário Paulista Desentupidora em Avenida Paulista Desentupidora na Avenida Paulista Desentupidora Orçamento Grátis Paulista Desentupidora Paulista Desentupidora Paulista Desentupidora Paulista 24 Horas Desentupidora Pia de Cozinha Avenida Paulista Desentupidora Poço de Recalque Paulista Desentupidora Privada Paulista Desentupidora Ralo de Chuveiro Paulista Desentupidora Ralo Paulista Desentupidora Rede Água Pluvial Paulista Desentupidora Rede de Esgoto Paulista Desentupidora Residência Paulista Desentupidora Tanque Paulista Desentupidora Vaso Sanitário Paulista Desentupidora Vídeo Inspeção Paulista Desentupidora Visita Grátis Paulista Desentupimento com Caminhão na Avenida Paulista Desentupimento Paulista Desentupimento Pia Avenida Paulista Encanador na Avenida Paulista Limpa Fossa Paulista Limpeza Caixa de Gordura Paulista Limpeza de Fossa na Avenida Paulista Melhor Preço Desentupidora Paulista Todas Desentupidoras da Avenida Paulista Peça agora um orçamento Nome E-mail Telefone Serviço Descrição Palavras Mais Buscadas: Limpa Fossa na Zona Sul | ABCD | Água Pluvial | Alphaville | Aluguel de Caminhão | Artigos | Atibaia | Banheiro Locação | Barueri | Base Móvel | Bertioga | Biritiba Mirim | Bragança Paulista | Cabreúva | Caça Vazamento Zona Sul | Caieiras | Caixa de Gordura | Cajamar | Campinas | Campo Limpo Paulista | Carapicuiba | Centro | Cotia | Cubatão | Dedetizadora Zona Sul | Desentupidora na Zona Leste | Desentupidora na Zona Norte | Desentupidora na Zona Oeste | Desentupidora na Zona Sul | Desentupidora no Centro | Desentupidora Posto de Gasolina | Desentupimento | Desentupimento de Calhas | DESENTUPIMENTO DE ESGOTO | DESENTUPIMENTO DE RALO | DESENTUPIMENTO DE VASO SANITÁRIO | Desentupimento em São Paulo | Desentupimento em SP | Desentupimento na Zona Leste | Desentupimento na Zona Norte | Desentupimento na Zona Oeste | Desentupimento na Zona Sul | Desentupimento no Centro | Diadema | Dicas | Doenças transmitidas pela água | Embu das Artes | Embu-Guaçu | Emergência | Equipamentos | Esgotamento | Eventos | Ferraz de Vasconcelos | Francisco Morato | Granja Vianna | Guarujá | Guarulhos | Hidrojateamento | Histórico de Notícias e Dicas | Hortolândia | Indaiatuba | Itanhaém | Itapecerica da Serra | Itapevi | Itaquaquecetuba | Itatiba | Itú | Itupeva | Jacareí | Jandira | Jarinu | Jundiai | Juquitiba | Leste | Limpa Fossa | Limpa Fossa Estradas | Limpa Fossa na Grande São Paulo | Limpa Fossa na Zona Leste | Limpa Fossa na Zona Norte | Limpa Fossa na Zona Oeste | Limpa Fossa no Centro | Limpa Fossa Zona Leste | Limpa Fossa Zona Sul | Limpadora de Caixa de Água | Limpeza de caixa de gordura | Limpeza de Caixa de Gordura na Zona Oeste | Limpeza de Caixa de Gordura no Centro | Limpeza de Fossa | Limpeza de fossa na Zona Sul | Limpezas | Louveira | Mairiporã | Mauá | Menor Preço | Mogi | Mogi das Cruzes | Mongaguá | Mulher | Nazaré Paulista | Obras | Osasco | Peruibe | Pirapora do Bom Jesus | Poá | Poço de Inspeção | Poço de Recalque | Poço de Visita | Praia Grande | Ribeirão Pires | Rio Grande da Serra | Sanitização | Sanitização Zona Oeste | Sanitização Zona Sul | Santa Isabel | Santana do Parnaíba | Santo André | Santos | São Bernardo do Campo | São Caetano do Sul | São José dos Campos | São Lourenço da Serra | São Vicente | Sul | Suzano | Taboão da Serra | Valinhos | Vargem Grande Paulista | Várzea Paulista | Video Inspeção | Vinhedo | Zona Oeste | Zona Sul 1 | Zona Sul 2

Está gostando de nossos artigos, compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
  •  Rua Glauco Velasques, 285, Casa Verde
  •  (11) 2822-9612
  •  (11) 2836-6065
  •  (11) 98776-7059
  •  (11) 9 9739-5404
  •  Rua H, 38, Parque Vera CRUZ
  •  (12) 3674-3511
  •  (12) 99149-0615
  •  (11)98776-7059

Projetos realizados

%d blogueiros gostam disto: