Whatsapp

(11) 9 9739-5404

Ligue para nós

(11) 2822-9612

Ligue para nós

(11) 2836-6065

Whatsapp

(11) 9 9739-5404

Ligue para nós

(11) 2822-9612

Desentupidora na AV BRASIL 98776-7059 / 3951-1655

Desentupidora na AV BRASIL 98776-7059 / 3951-1655

A Avenida Brasil é uma importante via da cidade de São Paulo, situada no bairro do Jardim Paulista, que tem início na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, e término na Avenida Rebouças, cortando regiões valorizadas da cidade, como os bairros de Pinheiros, Jardim América, Jardim Paulistano, Jardim Europa e Ibirapuera. Índice 1 Características 2 História 3 Ver também 4 Referências Características Com 2,3 quilômetros de extensão[1], a avenida tem como regra de zoneamento a construção apenas de edifícios com até doze metros de altura.[2] Entre o início, na esquina com a Avenida Brigadeiro Luís Antônio, e a esquina com a Rua Colômbia é permitida a instalação de bancos, consulados e escritórios de profissionais liberais.[2] No trecho a partir da Rua Colômbia e até o final da avenida, na esquina com a Avenida Rebouças, podem ser instalados orfanatos, museus, bibliotecas, serviços de saúde e showrooms — exceto de motocicletas —, e pode ser exercido ainda o comércio de alimentação, desde que sem consumo no local.[2] José Eduardo de Assis Lefevre, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo escreveu em artigo para o jornal O Estado de S. Paulo que a Brasil é “uma das mais bonitas avenidas da cidade”.[3] Ele destaca o canteiro central, largo, ajardinado e arborizado e o “recuo generoso das construções”, além dos jardins e árvores presentes nesses recuos.[3] História A avenida foi projetada para cortar a região da cidade conhecida como Jardins, que foi projetada para ser um grande jardim, e concentrar grandes mansões.[1] O loteamento foi feito pela Companhia City, que impôs em contrato que os fechamentos dos terrenos para a rua deveriam ser baixos e não poderiam impedir a visão dos imóveis.[3] Industriais e profissionais liberais bem-sucedidos passaram a procurar a avenida para construir suas casas, onde poderiam demonstrar sua riqueza nas respectivas fachadas.[1] Até os anos 1960 apenas uma igreja, a Nossa Senhora do Brasil, até hoje na esquina com a Rua Colômbia, dividia espaço com residências na avenida.[3] De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, ela foi o “símbolo de riqueza e modernidade no início do século XX”, mas passou a ter sinais de progressiva decadência no início do século XXI em meio à pujança do Jardim América, com diversos imóveis vazios, demolidos ou abandonados.[1] Um dos motivos para isso é o alto valor de venda e locação dos imóveis de alto padrão, que, segundo um diretor da Empresa Brasileira de Estudos do Patrimônio em entrevista ao Estadão, teriam dobrado de preço em relação à média cobrada em 2005.[1] O valor do metro quadrado é até menor que em outros lugares valorizados da cidade — cinquenta reais, contra 120 reais na Avenida Brigadeiro Faria Lima, por exemplo —, mas o tamanho das propriedades faz com que os aluguéis sejam mais altos.[1] Outro motivo seriam as irregularidades em diversos imóveis, construídos como mansões, mas que precisam de reformas para abrigar estabelecimentos comerciais.[1] Ver também Jardins Referências Valéria França (3 de abril de 2010). «Supervalorização e irregularidades esvaziam 23 imóveis na Avenida Brasil». O Estado de S. Paulo (42 536). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. pág. C1. ISSN 1516-2931. Consultado em 11 de abril de 2010 Valéria França (3 de abril de 2010). «Restrição a prédios serve de proteção a zona residencial». O Estado de S. Paulo (42 536). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. pág. C1. ISSN 1516-2931. Consultado em 11 de abril de 2010 José Eduardo de Assis Lefevre (3 de abril de 2010). «Como preservar as qualidades de São Paulo?». O Estado de S. Paulo (42 536). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. pág. C1. ISSN 1516-2931. Consultado em 11 de abril de 2010 [Expandir]vde Brasão da cidade de São Paulo.svg Cidade de São Paulo São Paulo City flag.svg Categoria: Avenidas da cidade de São Paulo Esta página foi editada pela última vez às 00h22min de 22 de agosto de 2021. Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de utilização. Política de privacidadeSobre a WikipédiaAvisos geraisVersão móvelProgramadoresEstatísticasDeclaração sobre ”cookies”O Parque Ibirapuera é um parque urbano localizado na cidade de São Paulo, Brasil. Em 2017, foi o parque mais visitado da América Latina, com aproximadamente 14 milhões de visitas,[1] além de ser um dos locais mais fotografados do mundo.[2] Inaugurado em 1954 com uma área de 158 hectares (390 acres), entre as avenidas Pedro Álvares Cabral, República do Líbano e IV Centenário, o Parque Ibirapuera é um parque tombado e patrimônio histórico de São Paulo. Seus jardins foram desenhados pelo paisagista Otávio Augusto Teixeira Mendes, após o conceito e anteprojeto do paisagista Roberto Burle Marx, a quem foram inicialmente encomendados, encontrarem resistência para sua efetiva realização.[3] Já as construções históricas como os pavilhões que abrigam museus, o auditório, marquise entre outras foram concebidas pelo arquiteto Oscar Niemeyer com projetos estruturais do engenheiro Joaquim Cardozo, e são tombadas pelo Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.[4][5][6][7] O parque como um todo é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo. Com a ampliação da Av. Pedro Álvares Cabral e consequente separação de parte da áreas verde que passou a ser administrada separadamente do parque, sua área efetiva foi reduzida e hoje ficam dentro do parque pouco mais do que 130 hectares (322 acres) entre as avenidas que o limitam e dentro de sua certa. Desde 2003, a gestão do Parque Ibirapuera é feita pelo Conselho Gestor do Parque Ibirapuera[8] e administração pelo Departamento de Parque e Áreas Verdes da Prefeitura de São Paulo. A partir de 2014, o parque também conta com uma organização de amigos consolidada, o Parque Ibirapuera Conservação, dedicada a fomentar o engajamento dos usuários no cuidar do parque, restaurar espaços e promover a melhoria das áreas verdes e abertas.[9][10] No parque há diversos atrativos para o público desde passeios culturais e educativos como caminhadas monitoradas, atividades de observação de pássaros, possuindo esculturas, museus e monumentos históricos além dos jardins e paisagens repletas de flores e árvores.[11][12] Há também aparelhos de ginástica, quadras, playground, quiosques, ciclovia e planetário.[13] Por sua riqueza verde, esportiva e cultural, em 2015 foi elencado por um colunista do jornal britânico The Guardian, como um dos “melhores parques do planeta” junto a parques como o Buttes-Chaumont de Paris, o Boboli de Florença, a High Line de Nova Iorque, o Hampstead Heath de Londres e o Parque Güell de Barcelona.[14][15] Índice 1 História 1.1 Projeto 1.2 Construção 1.3 Século XXI 2 Acesso 3 Eventos 3.1 Natal 3.2 Caminhada monitorada 3.3 Mutirão de limpeza 4 Conjunto arquitetônico 5 Administração 5.1 Conselho Gestor do Parque Ibirapuera 5.2 Parque Ibirapuera Conservação 6 Ver também 7 Referências 8 Ligações externas História Projeto José Pires do Rio era o prefeito durante a construção do parque.[16] A região alagadiça (“Ibirapuera” provém do tupi antigo ybyrapûera, que significa “árvores velhas”; ybyrá, árvores, pûer, velho, a, sufixo)[17] havia sido parte de uma aldeia indígena na época do início da colonização de origem portuguesa. Com o tempo, tornou-se uma área de chácaras e pastagens. Na década de 1920, o então prefeito da cidade – José Pires do Rio – idealizou a transformação daquela área em um parque semelhante aos existentes na Euro
pa e nos Estados Unidos, como o Bois de Boulogne em Paris, o Hyde Park em Londres ou o Central Park em Nova Iorque. O obstáculo representado pelo terreno alagadiço frustrou a ideia, até que Manuel Lopes de Oliveira, conhecido como Manequinho Lopes , de tradicional família paulista- seu pai foi o líder republicano coronel da gurda nacional Manoel Lopes de Oliveira, pai da Condessa Jose Vicente de Azevedo e da Baronesa da Bocaina, e apaixonado por plantas, iniciou, em 1927, o plantio de centenas de eucaliptos australianos, buscando drenar o solo e eliminar a umidade excessiva do local. Construção Finalmente, em 1951, o então governador Lucas Nogueira Garcez instituiu uma comissão mista – composta por representantes dos poderes públicos e da iniciativa privada – para que o Parque Ibirapuera se tornasse o marco das comemorações do IV centenário da cidade. Coube a Oscar Niemeyer a responsabilidade pelo projeto arquitetônico, ao engenheiro calculista Joaquim Cardozo a responsabilidade pelos projetos estruturais e, a Roberto Burle Marx, o projeto paisagístico. O projeto de Burle Marx, no entanto, acabou sendo substituído pelo projeto do engenheiro agrônomo Otávio Augusto Teixeira Mendes.[5][4][3] Parque Ibirapuera com Vila Nova Conceição ao fundo. Vista geral do parque. Três anos depois, no entanto, o aniversário da cidade, em 25 de janeiro de 1954, não pôde contar com o parque inaugurado, pois este só ficaria concluído sete meses depois. A inauguração em agosto contou com 640 estandes montados por treze estados e dezenove países. No mesmo ano, em comemoração ao Quarto Centenário da cidade de São Paulo, foi erguido no parque o Pavilhão Japonês. A edificação, inspirada no Palácio de Katsura, foi construída no Japão e trazida de navio para o Brasil, e celebra a amizade entre as duas culturas.[carece de fontes] Desde 2000, a Sabesp – empresa de saneamento paulista – instalou uma estação de flotação, para tratar a águas vinda do Côrrego Sapateiro e um dos afluentes dos lagos do parque.[18] Século XXI Em 2012 foi apontado pela rede social Facebook como o local mais popular em todo o Brasil para se fazer check-in (assinalar, para os amigos, onde se encontra num determinado momento).[19] Em 2013, foi eleito o melhor parque da América do Sul pelos usuários do site TripAdvisor.[20] Em 2017 no começo de seu mandato, João Doria anunciou um projeto de parceira com empresas privadas, anunciando que a empresa Cyrela ficaria responsável pelas reformas de oito conjuntos de banheiros do parque, enquanto a Unilever seria a responsável pela limpeza, com a afirmação de que tal parceria teria custo zero para a prefeitura.[21] Porém em menos de uma semana da inauguração, os novos banheiros foram vandalizados, tendo suas cubas, pias e saboneteiras quebradas e arrancadas. Após a publicação, assessores do prefeito de São Paulo foram até o local do ocorrido e já deram início aos consertos. Questões sobre o custo adicional e sobre a penalização aos vândalos não foram respondidas.[22] O prefeito João Doria mandou instalar câmeras de monitoramento na área externa dos banheiros.[23][24] Panorama de um dos lagos do Parque Ibirapuera com o Obelisco e a cidade ao fundo. Acesso Vista aérea do parque em 2011. O Parque Ibirapuera fica na sub-prefeitura de Vila Mariana, bairro Ibirapuera, na cidade de São Paulo. O parque é um quadrilátero formado pelas seguintes avenidas: Quarto Centenário (portões 6 e 7A), República do Líbano (portão 7) e Pedro Álvares Cabral (portões 2,9 e 10).[carece de fontes] A entrada para a enorme área verde, que fica aberta diariamente das 5h da manhã até à meia-noite é gratuita desde a inauguração do parque. Por ser de extensão muito grande, conta com diversos portões que dão acesso à parte interna, variando entre os que são só para veículos, ou só para pedestres. Com a inauguração da Estação AACD-Servidor da Linha 5-Lilás, tornou-se mais fácil o acesso ao parque[25] a partir de outras regiões de São Paulo, já que a estação fica à 1,1 km de distancia do portão 5, cerca de 14 minutos de caminhada. Eventos Além de suas visitas diárias, o Ibirapuera também recebe muitos eventos dos mais diversificados possíveis, que vão de trios elétricos a convenções da NBA (Liga Norte Americana de Basquete). Em 2014, o Ibirapuera recebeu o famoso festival de cores da Índia, o Holli, o qual celebra a chegada da primavera.[26] Recebe também muitos shows na Arena de Shows do Parque Ibirapuera com capacidade para cerca de 10 mil pessoas. A grande maioria desses eventos são gratuitos e aberto a todos os públicos, dando uma ideia de integração entre as classes, e promovendo muita diversão.[27] Natal Ibirapuera em época natalina. A inauguração da árvore de natal do parque se deu no ano de 2002, com 50 metros de altura e foi crescendo ao longo dos anos, tendo assim em 2008 e 2009 a árvore com seu maior tamanho (70 metros de altura). A partir de 2010 a árvore passa a diminuir, tendo neste ano 68 metros, nos anos de 2011 a 2013 – 58 metros, 2014 – 54 metros e 2015 e 2016 – apenas 35 metros.[28] No ano de 2016, a árvore teve sua decoração feita de enfeites doados pelos moradores da cidade de São Paulo e que, depois, foram reciclados. Além disso a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) para ajudar na segurança, monitorou e orientou o tráfego de automóveis e pedestres, devido ao trânsito que se dá nessa época do ano.[29] Nesta época há um espetáculo especial com águas na fonte multimídia do parque, com projeções natalinas, além da iluminação das 200 árvores do entorno e da apresentação de um coral natalino, composto por 24 vozes femininas, em um palco montado na parte interna do lago.[30] Caminhada monitorada Entardecer em uma das pontes do parque. A caminhada monitorada é feita em grupo e mostra desde aspectos históricos e algumas curiosidades sobre o parque, como fauna e flora. São mais de quarenta pontos a serem visitados para ampliar o conhecimento do visitante e facilitar futuras visitas ao local. A duração dos passeios vária segundo propósito, mas tem em média duas horas. Ela é gratuita para amigos da organização Parque Ibirapuera Conservação, ou cobrada uma doação mínima de 10 reais por pessoa. As visitas são agendadas no próprio site da organização de amigos dedicada ao parque.[11] Mutirão de limpeza Desde agosto de 2014, eventualmente o Parque Ibirapuera Conservação, organização da sociedade dedicada a cuidar do parque realiza o Mutirão de Limpeza, onde é feita a conscientização das pessoas que frequentam o local, sobre como devem cuidar do parque, que é patrimônio histórico e da cidade.[31] Grupos de pessoas seguem realizando uma caminhada pelo parque carregando sacos plásticos, onde sempre que encontram sujeira no chão, as juntam nos sacos. Essa foi a maneira que os amigos do parque encontraram para fazer com que os frequentadores do Parque Ibirapuera pudessem entender a importância do cuidado com o meio ambiente.[32] Vista panorâmica de um dos lagos do parque. Conjunto arquitetônico Obelisco de São Paulo. Oca. Marquise do Parque do Ibirapuera. Fazem parte das construções da época da inauguração do conjunto arquitetônico do Parque Ibirapuera: O Pavilhão Ciccillo Matarazzo, popularmente chamado de Pavilhão da Bienal, atual sede da Bienal de São Paulo;[carece de fontes] O Pavilhão Japonês, área na beira do lago com jardim cuidado até hoje pela comunidade japonesa; O Pavilhão Manuel da Nóbrega, sede da Prefeitura até 1992 e que hoje abriga o Museu Afro Brasil;[33] A Oca, Pavilhão Lucas Nogueira Garcez – antiga sede do Museu da Aeronáutica e do Museu do Folclore;[carece de fontes] O Palácio dos Estados, antiga sede da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município de São Paulo. Atualmente comporta o Pavilhão das Culturas Brasileiras;[34] O Palácio da Agricultura – até 2009, era a sede do Departamento Estadual de Trânsito do estado de São Paulo. Foi construído inicialmente para abrigar a Secretaria da Agricultura. Hoje, abriga o acervo d
o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo e encontra-se fora do perímetro do parque;[35] a Grande Marquise – local onde está situado o Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM);[carece de fontes] o Ginásio de Esportes, o Velódromo (o primeiro existente no país) e o conjunto de lagos;[carece de fontes] o Obelisco do Ibirapuera, símbolo da Revolução Constitucionalista de 1932;[carece de fontes] o Monumento às Bandeiras, monumento em homenagem aos bandeirantes esculpido por Victor Brecheret.[carece de fontes] De construções mais recentes, podem ser citados: Planetário, Escola Municipal de Astrofísica, Escola Municipal de Jardinagem, Universidade Aberta de Meio Ambiente e Cultura de Paz (UMAPAZ), Divisão de Fauna e Cecco.[36] A última construção concluída no parque foi o Auditório Ibirapuera (inaugurado em 2005), edificação que constava nos planos iniciais do arquiteto, mas que não havia sido executada.[36] Antes do auditório, concluiu-se o Monumento a Pedro Álvares Cabral, projetado por Agostinho Vidal da Rocha e esculpido por Luís Morrone, por ocasião dos 500 anos do Descobrimento do Brasil. A peça possui 5 metros em bronze, e seu pedestal em mármore mede 2 metros x 1,80 metro x 1,84 metro. Foi inaugurado em 10 de junho de 1988.[37] O Viveiro Manequinho Lopes, Herbário Municipal e Bosque da Leitura estão no parque desde antes da sua criação, porém em formatos distintos. No último projeto de revitalização do Viveiro, a maior intervenção de Burle Marx no Parque Ibirapuera,[38] o mesmo foi ampliado e hoje se estende até a Serraria. Em 2016, a prefeitura colocou um alambrado dividindo o viveiro ao meio para proteger a produção de mudas e passou também a fechar o espaço para visitação e contemplação aos finais de semana. Parque Ibirapuera Auditório Ibirapuera MAM Bienal de São Paulo Ginásio de Esportes Museu Afro Brasil Monumento às Bandeiras com o parque ao fundo. Administração O Parque Ibirapuera é administrado pela Prefeitura de São Paulo através do Departamento de Parque e Áreas Verdes do Município.[39] Há uma divisão especifica responsável pelo dia-a-dia do parque que fica aberta diariamente junto a Escola de Astrofísica, atrás do Planetário. A divisão supervisiona os dois contratos de mão de obra terceirizado, um responsável pela manutenção do verde e outro pela segurança. Há também no parque uma inspetoria da Guarda Civil Metropolitana com quase 200 efetivos, exclusivamente para o parque.[40] Conselho Gestor do Parque Ibirapuera Deste 2003 a gestão do parque passou a ser feita conjuntamente pela prefeitura com os usuários e sociedade civil, após aprovação da lei municipal 13 539/03, substituída pela lei 15 910/13, que além da gestão incumbe ao conselho a função fiscalizadora e deliberativa. O conselho tem representantes de inúmeras secretárias municipais, indicados pelo município, e usuários e organizações da sociedade civil eleitos a cada dois anos.[41] O órgão se reúne mensalmente no parque e analisa desde regulamento do parque até políticas de eventos e cuidado.[42] Porém, historicamente com a alta rotatividade da gestão da Secretária do Verde e Meio Ambiente e subsequente Departamento de Parque e Áreas Verdes, o conselho questiona pública e recorrentemente a falta de transparência do município em envolvê-lo fomentando a governança que pede a lei.[43][44][45] Parque Ibirapuera Conservação Em 2014, conselheiros e amigos do parque fundaram a associação de amigos Parque Ibirapuera Conservação, que desde então vem engajando as pessoas no cuidar do parque.[46] A associação de suporte ao parque assinou contrato com a Prefeitura para restaurar e cogerir o Bosque da Leitura dentro do Ibirapuera[47] e já investiu mais de 1 milhão de reais de dos amigos do parque desde programas educacionais até inúmeros projetos de restauração,[48] como o da restauração da fonte e espelho d’água[49] e outros que seguem em trâmite no município.[50] Ver também Parque Buenos Aires Parque da Aclimação Referências «SP: passado e presente: Aos 63, Ibirapuera é o parque mais visitado da América Latina». Folha de S.Paulo «Parque Ibirapuera entra para lista de locais mais fotografados no Instagram». Tecnologia e Games. 2 de dezembro de 2015 Curi, Fernanda Araujo. «Burle Marx e o Parque Ibirapuera: quatro décadas de descompasso (1953 – 1993)». Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. 25 (3): 103–138. ISSN 0101-4714. doi:10.1590/1982-02672017v25n0304 «Niemeyer e Joaquim Cardozo: uma parceria mágica entre arquiteto e engenheiro». EBC. Consultado em 29 de dezembro de 2018 Maria do Carmo Pontes Lyra, Maria Valéria Baltar de Abreu Vasconcelos (2008). «Cardozo: bibliografia de Joaquim Cardozo – Vida e Obra». Editora Universitária UFPE. Consultado em 1 de janeiro de 2019 «Brasília 50 anos» (PDF). VEJA. Consultado em 19 de janeiro de 2014 «Notícia: Mais três monumentos projetados por Niemeyer são tombados pelo Iphan – IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 10 de abril de 2018 «Prefeitura da Cidade de São Paulo». www3.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 10 de abril de 2018 Juste Lores, Raul. «Vizinhos temem plano de Doria e propõem assumir parque Ibirapuera». Folha de S.Paulo «História – Parque Ibirapuera Conservação». Parque Ibirapuera Conservação «Ibirapuera: coração de São Paulo – Diário do Grande ABC». Jornal Diário do Grande ABC «Mexa-se: passeio de bicicleta com apresentações musicais e caminhada no Ibirapuera estão entre as dicas da semana». Divirta-se «Ibirapuera | Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente | Prefeitura da Cidade de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 2 de outubro de 2018 «Jornal britânico inclui Ibirapuera na lista dos melhores parques do mundo». G1. 7 de agosto de 2015. Consultado em 26 de abril de 2017 Moore, Rowan (7 de agosto de 2015). «The 10 best parks». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 «Sobre o Parque». Parque do Ibirapuera. Consultado em 11 de maio de 2014 NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigoː a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 566. «Sabesp». site.sabesp.com.br. Consultado em 10 de abril de 2018 «The 25 most popular destinations for Facebook check-ins in 2013». CNN.com. 10 de dezembro de 2013. Consultado em 26 de abril de 2017 Edison Veiga (30 de agosto de 2014). O Estado de S. Paulo, ed. «O sessentão que não sai de moda». Consultado em 28 de setembro de 2014. Arquivado do original em 1 de setembro de 2014 «SP inaugura primeira bateria de banheiros reformados no Parque Ibirapuera». Jornal do Brasil. Consultado em 26 de abril de 2017 Adriana Farias (3 de abril de 2017). «Após inauguração, banheiros do Ibirapuera são alvos de vandalismo». Veja São Paulo. Consultado em 26 de abril de 2017 Vivian Reis (4 de abril de 2017). «Doria culpa ‘rolezinho’ por depredação e promete câmera na entrada de banheiros do Ibirapuera». G1. Consultado em 26 de abril de 2017 «Doria quer privatizar o Parque Ibirapuera e outras áreas verdes». G1. 6 de outubro de 2016. Consultado em 26 de abril de 2017 «Paulistano ganha estação do metrô a 14 minutos a pé do parque Ibirapuera». Folha de S.Paulo. 31 de agosto de 2018. Consultado em 20 de dezembro de 2018 «São Paulo recebe mais uma edição do Holi – Festival das Cores». Hypeness. 16 de outubro de 2014. Consultado em 26 de abril de 2017 «Acontece…». Parque do Ibirapuera. Consultado em 26 de abril de 2017 «Inauguração da Árvore de Natal do Ibirapuera atrai centenas de fãs». G1. Consultado em 26 de abril de 2017 «Árvore de Natal do Ibirapuera será inaugurada neste sábado após doações». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de abril de 2017 Da Redação (1 de dezembro de 2012). «Natal – Fonte do Ibirapuera». Veja São Paulo. Consultado em 26 de abril de 2017 Gama, Mara. «Mara Gama: Lixo: Ibira Amo e Cuido faz mutirão de limpeza no Ibirapuera». Folha de S.Paulo «CBN – CBN São Paulo – ONG promove mutirão de limpeza no
Parque do Ibirapuera no aniversário de SP». cbn.globoradio.globo.com. Consultado em 2 de outubro de 2018 «História». Museu Afro Brasil. Consultado em 26 de abril de 2017 «Pavilhão das Culturas». Cidade de São Paulo. Consultado em 26 de abril de 2017 «Institucional». Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Consultado em 26 de abril de 2017 «Ibirapuera». Prefeitura de São Paulo. Consultado em 26 de abril de 2017 Monumento a Pedro Álvares Cabral. Cidade de São Paulo. Acessado em 26 de abril de 2017. Curi, Fernanda Araujo; Curi, Fernanda Araujo (Setembro de 2017). «Burle Marx and Ibirapuera Park: Four Decades Out of Sync (1953-1993)». Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. 25 (3): 103–138. ISSN 0101-4714. doi:10.1590/1982-02672017v25n0304 «SVMA | Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente | Prefeitura da Cidade de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 15 de abril de 2018 «Comando Operacional Oeste Centro | Secretaria Municipal de Segurança Urbana | Prefeitura da Cidade de São Paulo». www.prefeitura.sp.gov.br. Consultado em 15 de abril de 2018 «Leis Municipais». leismunicipais.com.br. Consultado em 15 de abril de 2018 «Conselho estuda fim de carro e show no Parque do Ibirapuera – São Paulo – Estadão». Estadão «Folha de S.Paulo – Ibirapuera: Conselho ameaça embargar garagens – 29/07/2004». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 15 de abril de 2018 «’Menos no Ibirapuera é mais para o parque Augusta’, diz membro do conselho gestor – 16/03/2014 – sãopaulo – Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 15 de abril de 2018 «Órgão gestor quer vetar shows no parque Ibirapuera». Folha de S.Paulo Juste Lores, Raul. «Vizinhos temem plano de Doria e propõem assumir parque Ibirapuera». Folha de S.Paulo «DOSP 7/08/2014 – Pg. 15 – Cidade | Diário Oficial do Estado de São Paulo | Diários Jusbrasil». Jusbrasil. Consultado em 15 de abril de 2018 «Relatórios e Balanços – Parque Ibirapuera Conservação». Parque Ibirapuera Conservação «DOSP 19/04/2017 – Pg. 70 – Cidade | Diário Oficial do Estado de São Paulo | Diários Jusbrasil». Jusbrasil. Consultado em 15 de abril de 2018 «Ação popular pede suspensão imediata do cinza da Prefeitura». Direto da Fonte Ligações externas

Está gostando de nossos artigos, compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
  •  Rua Glauco Velasques, 285, Casa Verde
  •  (11) 2822-9612
  •  (11) 2836-6065
  •  (11) 98776-7059
  •  (11) 9 9739-5404
  •  Rua H, 38, Parque Vera CRUZ
  •  (12) 3674-3511
  •  (12) 99149-0615
  •  (11)98776-7059

Projetos realizados

%d blogueiros gostam disto: